terça-feira, 21 de dezembro de 2010

MINHA AMANTE (crônica premiada)

O nosso reencontro foi tenso, muito tenso, cheio de desejos e ansiedades. Ela ali, parada em um canto. Eu aqui, vendo-a sem ter coragem de tocá-la. Não sabia o que fazer. Rodei pela sala, procurei um livro. Terminei na geladeira. Eu tomei uma cerveja e ela ficou no canto, como que me olhando, rindo de meu nervosismo.

Tomei coragem. Fui até ela, decidido. De um gesto só, tirei-lhe a roupa. Foi um susto. Ela estava do mesmo modo. Não reagiu, não sorriu, não protestou, não faz nada, nadinha mesmo. Toquei em seu corpo, acariciei sua face e nada. Ela não reagiu. Ficou muda, como a deixei.

Eu e ela, no passado, fomos amantes, companheiros, confidentes. Noites e noites conversávamos a sós. Ela ajudou-me a afogar mágoas. Tantas vezes serviu-me de porta-voz, sem nada dizer, sem protestar. Tomou conhecimento dos meus amores, ajudou-me a conquistar outros e curtiu fossas comigo.

Não era ciumenta a minha amante, não dizia nada. A sua submissão era total, completa e, mesmo assim, a abandonei. Nos afastamos sem despedidas. Ela estava em casa, sozinha, e se foi sem me dizer adeus. Acho que estava zangada. Não a encontrei mais e já tinha perdido a esperança de reencontrá-la um dia. Se tivesse magoada, até compreenderia. Não lhe dei a devida atenção, não lhe cuidava bem. Acho que até gostou do que aconteceu.

Agora ela estava ali, muda, em um canto. Não me pediu desculpas e nem deu explicações. Eu aqui, sem saber o que dizer depois de tê-la deixado completamente nua. Era ela, a mesma, a mesma que se foi um dia. Estava do mesmo modo como eu a tinha visto no último dia.

Tomei outra cerveja, sozinho. Ela não bebe. Criei coragem novamente. Rumei para seu lado. Sentei-me na banqueta e a puxei para bem perto de mim. Precisava acariciá-la mais, sentir cada uma das partes de seu corpo. Sim. Precisava ser mais carinhoso, afinal, tantas vezes ela foi carinhosa para comigo, me permitiu extravasar todo meu sentimento, foi confidente de meus desejos e minhas angústias. Era o mínimo que poderia exigir.

Novamente usei de violência, como tantas vezes fizera no passado. Imediatamente a sala encheu-se de barulho. Era o mesmo barulho de alguns anos. Eu introduzi os dedos em suas partes e as teclas foram se movimentando como da última vez em que estivemos juntos.

No papel preso ao cilindro, alguma coisa começava a tomar forma. Como no passado, estávamos nos tornando amantes outra vez, eu e minha máquina Olivetti, línea 98.

Graças ao tempo, suas partes estavam intactas. Felizmente o ladrão que a roubou não tinha por ela o mesmo sentimento de cumplicidade que eu tenho. Por isso, eu e minha Olivetti voltamos a ser os mesmos amantes de antes!

36 comentários:

  1. Caro Carlos Costa, voltei ao passado remoto da minha infância/juventude, velha e querida OLIVETTI, com a qual aprendi os meus primeiros toques em uma maquina de datilografia, hoje tenho guardado comigo uma, so que elétrica, na verdade uma das primeiras que foi comercializada no mercado nacional.

    ResponderExcluir
  2. A Amante Perfeita!Essa é para conservar.Abraços

    ResponderExcluir
  3. Do principio ao fim este “RELATO” me aprisionou.
    Muito generoso de sua parte me presentear com esta “OBRA PRIMA”.

    ResponderExcluir
  4. Maravilhosa crônica, foi justo ter sido premiada!!! Parabéns, Carlos!

    ResponderExcluir
  5. Lindissima crônica, parabéns Carlos Costa!!

    ResponderExcluir
  6. De hecho espero, o voy a tener que viajar a Costa Rica? ✈��

    ResponderExcluir
  7. Roberto Fraga Junior19 de junho de 2015 19:51

    Genial!!!

    ResponderExcluir
  8. Bela crônica, parabéns, merecido prêmio!!!

    ResponderExcluir
  9. Elissandro/Corretor de imoveis20 de junho de 2015 04:59

    Parabéns

    ResponderExcluir
  10. Aparecida Moreira20 de junho de 2015 15:43

    Essa veio direto pra mim!

    ResponderExcluir
  11. COM CERTEZA!

    ResponderExcluir
  12. Parabéns vc tem firmeza em suas cronicas,,tanto que as lendo-as viajamos nelas!!!!
    Belissima croniva.

    ResponderExcluir
  13. Paulo Sergio Neves da Rocha19 de agosto de 2015 10:24

    Muito bom!!!

    ResponderExcluir
  14. Eliana Aquino/jornalista Alagoas13 de novembro de 2015 16:23

    Maravilha

    ResponderExcluir
  15. Que lindoo!!!

    ResponderExcluir
  16. Luiz Celso Santos de Oliveira14 de novembro de 2015 04:47

    : Essa geração não tem noção, de que breves linhas possam gerar um consenso possível, será que no futuro ainda teremos escritores que na simplicidade do cotidiano produzam a essência da literatura e a simples poesia de viver?

    ResponderExcluir
  17. Otima cronica!!!

    ResponderExcluir
  18. Luiz Eduardo Oliveira - advogado14 de novembro de 2015 09:37

    Crônica MINHA AMANTE se constitui em mais um belíssimo texto do amigo Carlos Costa.
    Parabéns

    ResponderExcluir
  19. Celina Márcia Composé14 de novembro de 2015 09:40

    Showwww

    ResponderExcluir
  20. Roberto Fraga Junior14 de novembro de 2015 16:55

    Sensacional!!!!!

    ResponderExcluir
  21. João Batista Filho/BH16 de novembro de 2015 08:40

    Oi Carlos,mais uma vez voce nos brinda com esta sua belissima cronica. Parabéns, continue eternamente tendo esta sua amante como companheira..

    ResponderExcluir
  22. Terezinha Del Castilho Diniz23 de janeiro de 2016 10:55

    Maravilha! Bela crônica!

    ResponderExcluir
  23. Essa historia e muito linda....m arrepiei ao começar a ler....isso sempre acontece qndo pgo um livro...e leio so resumo....e sei q será um ótimo livro....sou uma leitora avida....leio d 4/5 livros por semana....sempre Stou a procura d livros antigos....e crônicas e best selles...CARLOS...O POUCO Q LI D SUAS EDIÇÕES...PERCEBI O QNTO VC E BOM...PARABÉNS...E GSTARIA D PODER LER MUITO MAIS D SUAAS OBRAS....

    ResponderExcluir
  24. Linda crônica!
    Obrigado!

    ResponderExcluir
  25. Gostei do modo como considerava tua maquina

    ResponderExcluir
  26. MARIA HIRSCHI/SUÍÇA23 de janeiro de 2016 16:42

    mesmo poderosa essa cronica.

    ResponderExcluir
  27. Muito legal ,valeu o suspense ! Boa noite amigo querido !

    ResponderExcluir
  28. Ja tinha lido essa... Mas muito bom ler novamente!!!!
    Nesta segunda lida parece que percebi alguns detalhes não vistos antes!!!
    Lhe envio uma que recebi da internet...
    Boa noite !!

    ResponderExcluir
  29. Luiz Castro/deputado estadual no AM23 de janeiro de 2016 17:43

    Ótima crônica

    ResponderExcluir
  30. Papai tinha uma Olivetti portatil, lembro com saudades.

    ResponderExcluir
  31. Carlos, meu pai tinha uma Olivetti portátil, foi nela que aprendi a catar milho. Tenho saudades.

    ResponderExcluir
  32. Alemario Mauro Teixeira24 de janeiro de 2016 17:50

    Parabéns pelo texto Carlos.

    ResponderExcluir
  33. Parabéns pela excelente cronica, Carlos.

    ResponderExcluir
  34. Adoro o q vc escreve es um genio

    ResponderExcluir