sexta-feira, 28 de outubro de 2016

ANUM PRETO...


Na comunidade do Varre-Vento, município de Itacoatiara, onde não nasci e vivi antes de vir estudar em Manaus, andava dentro do Cacoal nativo do meu avô, sempre com um estilingue a pendurada no pescoço. Todos meus irmãos e outros meninos também andavam um estilingue no pescoço e eu  os imitava.  Diziam que balar “anum preto” dava um tremendo azar! Talvez  por isso tenha perdido vários estilingues presos em uma espécie de forquilha que servia de mira para balar passarinho, como se dizia.

Não podia ver um passarinho em um galho de árvore que colocava logo na funda de pano,  uma bolinha de barro de tabatinga e mirava rumo ao rumo a ele.  Diziam que se matasse um “anum preto”, teria azar.   Perdi vários estilingues  bons e sem defeitos,  quando mirava rumo ao  ou  pássaro. Ou ele  voava antes do disparo  ou se me visse antes voava do mesmo modo. Antes de voar, porém, só de olhar quebrava o  estilingue feito com tiras finas de pneus. Seria verdade a fama?

Até o dia que acertei em um “anum preto” e ele caiu ao chão se debatendo todo.  Juntei o pássaro agonizante no chão, com muita pena do animal e, como imitador que era,  fiz o que via minha mãe fazendo com as galinhas do quintal quando matava uma para o sustento da família:, torci o  pescoço do indefeso pássaro, o  coloquei apoiado na coxa e puxei de leve.  Fiquei com a cabeça do anum preto em minha mão  e o sangue escorrendo em meu calção de saco de açúcar.

Nervoso com o que tinha feito, corri para casa assustado e me questionando: será que puxei com muita força ao ponto de arrancar-lhe a cabeça  ou  será não tinha feito corretamente ou que vira minha mãe fazer várias vezes, sem nunca ter ficado com a cabeça da galinha em sua mão?

Se dá azar ou não acertar  “anum preto” com bolas de tabatinga que recolhia da margem do rio que parece mais um mar , secava-as ao sol amazônico, não sei dizer.  Mas que fiquei com o corpo do anum  entre as pernas, a cabeça dele na mão e o sangue escorrendo em meu calção, ah, isso fiquei sim!


Hoje, aos 56 anos, admiro e defendo a natureza da devastação dos  homens, mas em 1967, vivendo ainda na idade das trevas,  não sabia que a ela seria e é tão importante para a sobrevivência também dos homens no planeta terra!

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

MENTIRAS E MEIAS VERDADES...!



No festival de mentiras e meias verdades que se transformou a disputa eleitoral para a Prefeitura de Manaus, dividida entre água para uma catadora de lixo e uma Escola Indígena em Manaus e não na Região Metropolitana de Manaus,   entre Artur Neto e seu adversário, o candidato Marcelo Ramos apresentou as palavras ”AUFERIÇÃO” de pressão, “HORIENTAÇÃO”  de saúde e “DEFICÊNCIA” mental. 

Assim mesmo! Com todos os equívocos ou erros da equipe de marketing contratada pelo candidato adversário, foi o principal assunto nas redes sociais, junto com “o tem dinheiro, dá pra fazer”, usado pelo candidato adversário.  Esses erros comprometem a campanha em  se adversário for eleito nas urnas, mas também não deveria ocorrer porque demonstra a prova da falência do sistema educacional do Brasil, com inúmeras faculdades particulares diplomando analfabetos de terceiro grau e muitas de Cursos à Distância, também foi uma lamentável falha de assessoria do candidato a prefeito, que cuida de sua companha e não deveria ocorrer.  Como professor do primário à Faculdade  percebo que o ensino está sendo prevaricado a cada dia que passa, as faculdades particulares e universidades estão  diplomando analfabetos de terceiro grau, sem muita preocupação com a qualidade do ensino!
!

As palavras foram o tema principal nas redes sociais depois do debate na TV A Crítica, retransmissora em Manaus da Rede Record, junto com o mote do adversário “tem dinheiro, dá pra fazer”. Com isso, surgiram montagens dizendo que Marcelo Ramos iria mudar o local do Encontro das Águas, pagar custos de bebidas em redes de whatsapp...e outras críticas apimentadas usando sempre a frase “tem dinheiro, dá pra fazer”.  Dessa forma, fica claro a incompetência da Equipe de Marketing do candidato Marcelo Ramos, que se torna responsável indireto pelo erro. O candidato deveria ter visto tudo antes para poder se apresentar no debate, mas não o fez. Esses equívocos não deveriam ocorrer durante um debate, mas poderão ser corrigidos para o próximo, decisivo e último debate promovido pela  Rede Amazônica, entre os dois candidatos dos 8 que se apresentaram para a disputa. Como resultado direto da campanha de Marcelo Ramos,  Artur Neto mudou os rumos de sua  e começou dizer que atendido pela “justiça” , começou a conceder isenção de IPTU para pessoas de baixa renda, mandou retirar nomes do SPC e SERASA de pessoas carentes, as pessoas carentes beneficiárias do Bolsa Família, passarão a ter tarifa social e, com essas medicas tomadas somente agora, destruiu a campanha de descasos denunciada pelo de seu adversário Marcelo Ramos.


No dia 30 de outubro as urnas falarão e indicarão quem será o novo prefeito de Manaus, se Artur Neto ou Marcelo Ramos.  Que vença o menos pior  dos dois porque nem um deles cumprirá  tudo o que  prometeu aos eleitores durante as suas campanhas.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

347 ANOS DE MANAUS, COM DUAS VERGONHAS HISTÓRICAS!


Enquanto os dois candidatos a administrar a cidade de Manaus discutem só sobre a questão da falta ou não de água servida na casa de uma catadora, hoje, dia 24 de outubro de 2016, a capital do Amazonas completa 347 anos de existência. Terá  sobre  o bolo da festa,  duas vergonhas históricas: o  porto de embarque, desembarque de passageiros, cargas e mercadorias construído no século XVII quando o Amazonas entrou no cenário econômico mundial e tinha população tinha menos de 80 mil habitantes. A outra vergonha é a sua Estação Rodoviária “Clóvis Bevilácqua”,  inaugurada  em 1980, em pleno século XX, pelo então prefeito da cidade, José Fernandes de Oliveira, para uma população de 633.383 e a capital se ligava por estrada   aos municípios de Itacoatiara e Manacapuru e não para ox seus atuais 2.523.90 habitantes do século XXI e ligada à Região Metropolitana, formado pelos municípios  como Novo Ayrão, Presidente Figueiredo, Careiro-Castanho, Rio Preto da Eva e Iranduba. Temos muito pouco a comemorar. Os candidatos Artur Neto e Marcelo Ramos não discutem coisas que se quer ouvir e se perdem em um tentar dizer que o outro é mentiroso. Enquanto isso ocorre, Manaus, capital da Zona Franca,  continua sendo uma capital-ilha cercada de problemas sociais e estruturais por todos os lados.

Em frente pelo belíssimo, majestoso, restaurando e imponente mercado municipal Adolpho Lisboa,  reinando absoluto e olhando para o caótico transito que não anda na Avenida Lourenço Braga.  Manaus,  como quase todos os municípios do Amazonas, nasceu de costas para o Rio. O mercado    olhando para a balbúrdia do trânsito com caminhões estacionados de um lado e do outro da Avenida e, ao fim da Avenida Djalma Batista, resiste ao tempo a também  precaríssima Estação Rodoviária  de Manaus, pior do que muitas estações de ônibus  T-1, T2, T3, T4 e T5, com uma homenagem ao jurista, historiador e filósofo, ex-promotor público,  membro da Assembleia Constituinte do Ceará, Secretário de Estado, consultor jurídico do Ministério do Exterior e um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras e, ainda,  membro do Instituto Histórico e Geográfico, Clóvis Bevilácqua.  A Estação, também é uma das piores e mais precárias e pobres do Brasil, não sendo digna de um pujante e Polo Industrial de Manaus. Mas não sobre a vida desse cientista positivista seguidor de Spencer, Heackel e August Conte, que desejo escrever, Também não é sobre a Revista de Estudos Livres, dirigida por Teófilo Braga, na qual ele escrevia.  

É sobre o aniversário de Manaus, que já teve um prefeito que virou  Ministro dos Transportes, mas também nada fez para resolver a imagem e a impressão para da no Porto ou na Rodoviária. O Ministro pelo Amazonas, liberou recursos para a construção de portos para atracação de barcos regionais e descargas de mercadorias para diversos municípios, mas o porto de Manaus só mereceu enterrar recursos públicos com revitalizações, modernizações, sem resolver o seu maior problema: o estacionamento de caminhos para carregar e descarregar mercadorias para os comerciantes dos municípios, sem vagas para estacionamento de portadores de necessidades especiais, mas com muitos espaços demarcados e para táxis, táxis carga, moto táxi etc, de um lado e do outro da pista!

Manaus, capital do Amazonas, é o centro financeiro, corporativo e econômico da Região Norte e está localizada na confluência dos Rios Negros e Solimões é também,  a cidade mais populosa do Amazonas a sétima do Brasil  e a  131ª mais populosa do mundo , representando 1,22% da população brasileira, sendo, ainda, a mais populosa do Norte do Brasil. Pertencia à Espanha até o século XVII, segundo o historiador, professor da UFAM e amazonólogo, Samuel Benchimol em sua obra “Os Deserdados de Tordesilhas”. A ocupação do Amazonas,  começou a partir de 1637 quando o navegador Pedro Teixeira, partiu de Quietos no Peru e tomou posse em nome da Coroa Portuguesa,  segundo registra a história. Na área da Manaus Moderna, ao lado do vergonhoso e deprimente porto de desembarque de carga e passageiros, olhando para o caótico trânsito, reina também o porto do “roadway”, para a exportação do Látex, pelos ingleses  sobre boias que acompanham o movimento das águas,  usado para a exportação da borracha, único e primeiro produto que criou um ciclo econômico no Amazonas. Ele também olha triste para o caótico trânsito da Rua e os dois candidatos a administrar Manaus nos próximos quatro anos, ficam  discutindo quem mente mais, quem engana e quem   não tudo o que prometeu fazer durante a campanha!   


Não há quase nada a comemorar no aniversário de hoje. Artur Neto foi padrinho de casamento de  Marcelo Ramos  e, juntos, desaguarão suas mágoas políticas e se encontrarão mais tarde para firmar interesses políticos  e se declararão amigos de novo, como se não houvesse passado de acusações de parte a parte. Definitivamente, em política não existe amigo,  inimigo ou aliado. Só interesses que se unem e se separaram para enganar os eleitores com promessas que não cumprirão em seu todo. Nos programas de baixarias, os dois candidatos nada falam sobre os problemas estruturais e históricos da cidade, que causam vergonha no dia de seu aniversário! 

domingo, 16 de outubro de 2016

POESIA ESTUPRADA!


A desafinada e barulhenta orquestra de cachorros
Dos apartamentos do Condomínio Mundi Resort
Estupram minha poesia!
Teimosamente, porém, ela resiste a tudo
E ainda me permite ouvir
No meio do silêncio da noite negra e quente,
Cantos dos pássaros que também resistem
Na nesga de uma floresta primária
(separando a estupidez humana)
Ligada por uma ponte.
Essa orquestra afinada do som de pássaros teimosos
Canta em desespero
Deixando meu coração triste e sorridente:
É a certeza de que a estupidez e a ganância humana
Não foram capazes de destruir
O som triste da natureza!

Que chora em silêncio!


(Socó, acauã, tucano, periquitos etc!)

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

CR\ÔNCA PARA YARA:: "NOSSA CRIANÇA DE 18 ANOS!! (Miracele Ferreira, a Mira")



É Yara...Ah, quantas saudades sinto da “aurora de minha vida”, como escreveu o poeta Casemiro de Abreu, da infância de nosso filho esperado, amado, querido e desejado! Lembro-me da foto que tirou no berço, ao lado da filha de um engenheiro que nasceu quase junto com ele. Uma  das muitas outras produzidas depois pela “Mira”. É...Yara,  nosso filho cresceutornou-se  homem de 18 anos e cursa Economia na Universidade Federal do Amazonas - Ufam. Tudo o que fizemos por ele valeu à pena...! Lembro-me, também, do nervosismo da noite do nascimento dele, com o Dr. Gerson Mourão filmando o parto e parando às 9hs e 16 minutos no relógio para socorrer os colegas que o auxiliavam no parto por cesária. Nosso filho, Yara, nasceu todo roxo, com o cordão umbilical enrolado no pescoço. Depois, a Sidelma Marcondes, filmando pelo vidro do berçário ,ele sendo levado para procedimentos de banho, medição, pesagem e, todo engolado  tipo um “bombonzinho” sedo colocado no berço. Bella Queiroz,  com 15 anos, hoje psicóloga e cantora e  irmã por parte de mãe, telefonando para saber se nosso filho já  havia nascido! Depois, você,  Yara, perguntando-me se ele era lindo.... Tudo isso lembro, como se tivesse sido ontem e não em janeiro de 1998.

Mas a vida nem sempre é como desejamos que tivesse sido. Sinto saudades até hoje de ver a nossa criança feliz, acordando dentro do berço, com seus “blebleites musicais” e nos acordando sorrindo e batendo palmas de alegria! E como sorria e era muito peralta nosso filho no berço! Uma vez, tentando abrir uma gaveta, caiu no chão, quebrou  a clavícula, dormiu e não chorou. Ficou por 30 dias com gesso que lhe colocaram na Unimed.. Quando começou a engatinhar, dirigia o dedo rumo à tomada de luz e a Mira, preocupada, gritava “não pode, Carlos Filho”. Depois repetia tudo de novo olhando para a babá e dizendo “Mia, né que nenê não pode fazer isso, bebê pega choque e morre”. Lembro-me com saudades de quando  cruzava as pernas, encostava-se às paredes da casa do Campos Elíseos e a Miracele Ferreira já sabia: estava com a frauda cheia  de urina e fezes. Ou ele repetindo “Mia, de novo”,  o que dizia o “teletubbes”, pedindo para colocar de novo o vídeo cassete.  Dormia abraçando dois bonecos da série.  Era lindo vê-lo tão calmo, sorridente e feliz!  

Relembro-o da “Mira” amarrando fraudas em sua cintura para que corresse pelo quintal e não caísse das vezes a babá, desesperada, o retirava  de dentro da boca da pastora alemã “Madona” para que não se ferisse e dizendo que  era perigoso. Mas, nosso filho não temia o perigo e fazia tudo de novo, desesperando ainda mais a Miracele Ferreira,  que por 12 anos o levando como aos consultórios médicos pediátricos, passou a ser chamada nos consultórios de “Mãe 2. A babá começou a trabalhar  15 dias antes de nosso filho nascer, porque eu e você trabalhávamos muito e quase não tínhamos tempo.. Também tenho lembranças de quando nosso filho, encostava-se as paredes da “casa velha”,  todo “xixado e com cocô . Comprava pacote de fralda descartável toda semana para nossa criança, na drogaria Carvalho!

Depois que mudamos. E no Condomínio Florença Residencial Park e gostava de vê-lo  dirigindo o seu jipe elétrico na companhia das duas filhas gêmeas do advogado Francisco, carinhosamente chamado de Dr. Chicão. Ah, que saudades sinto das serestas com violão, o sogro do Chicão cantando até altas horas, dos churrascos e do whisky que tomava à pérgula da piscina do condomínio.  “EU E MEU FILHO PELA PRIMEIRA VEZ NO CINEMA”. “BRINCANDO DE MÁGICO COM MEU FILHO”. “PAI, VOCÊ É BURRO”!  “CASA VAZIA”, crônicas de momentos vividos de nosso filho, que registrei no blog carloscostajornalismo. Ah, mais!  Recordo-me também de sua mãe chorando e dizendo que o tiraria da Escola de Alfabetização Floresta Encantada. Também gosto de recordar as vezes que lhe dei mamadeira e você dormia no meu braço e, no dia da mudança de endereço da “casa velha” para o apartamento novo no Condomínio, quando desci as escadas do segundo para o primeiro andar do Florença e bati na porta do apartamento do casal Luiz Rocha e Fátima, sem conhece-los, pedindo-lhes que esquentassem mamadeira do seu leite! Luiz Rocha, Fátima, Dr. Chicão, Claudionor Santos, Claudia Santos e sua esposa já falecida Fátima foram nossos primeiros e mais constantes amigos.  Ah, como sinto saudades do nosso filho! Ele cresceu, passou por fases de rebeldia, mas ainda lembro-me da nossa criança alegre chamado de “meu gordinho” pela sua madrinha Vera Queiroz  e chamando a avó materna de “vovó gordinha”. Maria Luiza Queiroz foi o primeiro a vê-lo depois que nasceu e o consagrou ao Divino Espírito Santo ! Ah, como tenho saudades da criança que cresceu e eu não vi ou que me recusei a vê-lo  porque não se vê isso diariamente, só se percebe que se tornou um homem quando aparece em casa com a primeira namorada ou quando percebemos que ficamos 18 anos mais velhos. Teria sido o nosso bebê um piloto de Formula l, como fora o genial Airton Senna, se tivesse continuado a assistir corridas deitado em meu braço? Talvez, mas nunca saberei! Ele deixou de assisti-las porque diz que agora não tem mais graça!  


É...Yara, nosso filho é um homem e nem o vi crescer! Parece que foi ontem que  nasceu e foi batizado ao Espirito Santo, primeira a pessoa a vê-lo, na capela que mantinha na residência depois da morte do esposo advogado e deputado por 26 anos pelo MDB, Francisco Guedes de Queiroz! 

terça-feira, 11 de outubro de 2016

SÍNDICO...é sofrer sozinho em sua sala de trabalho! (Antônio Paiva Filho)



                                      (Antônio Carlos de Castro Paiva Filho, ex-síndico Mundi Resort.)

Só  cumprindo o RI e a Convenção,  aplicando notificações, multas e outras responsabilidades constante, o resultado do trabalho do que o Síndico faz promovendo benefícios a todos os condôminos, só será reconhecido demais que virar ex-sindico.oje, fiscalizando a boa aplicação do dinheiro dos condôminos, observo que ser  síndico é ter que aceitar críticas de  quem nunca exerceu a função e sendo parabenizado apenas por poucos que reconhecem  a  difícil missão do Síndico de tomar decisões silenciosas em benefício de todos. Um bom síndico,  deve ser honesta e provar a honestidade pelos atos que pratica em sua gestão. Mesmo assim ainda não prestará, só porque cumpriu e fez cumprir o Regimento ou a Convenção, cumprindo apenas seu dever e  autoridade que lhe investiu a AG.

Como  disse sabiamente o escritor e teatrólogo Nelson Rodrigues, “toda unanimidade é burra”. Sindico nunca agrada a todos e também não deve trabalhar em seu proveito próprio. Mas sempre em favor da coletividade e se não existem críticas contra o que faz, fez ou fará,  alguma coisa estará errada! O  Síndico é criticado quando faz e quando poderia ter feito e não o fez. Síndico é chamado de incompetente e medroso por não ter tomado decisão. Sindico deve trabalhar com discernimento, coragem, determinação, administrando conflitos diários e resolvendo-os da melhor forma possível, sempre no interesse da coletividade e não e seu interesse pessoal.

Em 1999  comecei a exercer a função de síndico apenas com a dispensa da mensalidade da unidade.  Ainda não existia o Novo Código Civil que instituiu o síndico profissional. Ser síndico é padecer solitário no paraíso de sua sala de trabalho, tomando decisões quase sempre sozinho. Eleito síndico pela primeira vez para administrar o dinheiro dos condôminos no Florença Residencial Park e  reeleito mais três vezes. Mudei e administrei por três vezes o Edifício Geneve. Mudei de novo e fui do Conselho Fiscal do Nau Capitania e voltei a ser síndico do Geneve. Depois de anos dedicado à administrar conflitos, ser agredido fisicamente e com a entrada do Novo Código Civil, deixei de fazê-lo e passei a emprestar a experiência que acumulei quando tinha saúde, para trabalhar apenas no Conselho Fiscal do condomínio Mundi Resort, onde resido hoje.


A origem da palavra CONDOMÍNIO vem do latim CONDUMINUM, “COMPROPRIEDADE, formado por COM, junto com a palavra DOMINIUM, “poder sobre o comando”, de DOMINUS, “casa”  (http://origemdapalavra.com.br/site/palavras/condominio/).  Dessa origem, se formaram outras palavras.  CONDOMINIO é de comum a todos . Em AGE, elegem um síndico único para representar  todos os moradores em quaisquer instâncias nas esferas administrativa, cíveis e criminais. Todos são síndicos igualmente e devem contribuir com o bem comum de todos. Muitos condôminos se acham no direito  de criticar sem conhecer a dificuldade do trabalho de um síndico,  de apontar defeitos, quando deveriam apresentar ideias e sugestões para melhorar. O trabalho de síndico é igual ao de um prefeito de cidade pequena, média ou grande: sempre sofrerá críticas principalmente em época de disputa eleitoral.  Um síndico competente nunca agradará a todos.  Deve, porém, cumprir e fazer cumprir o Regimento e Convenção Condominial, sob os quais pautará todo o seu trabalho, mesmo não agradando a ninguém porque  por mais que tenha feito alguma coisa, sempre lhe sobrarão críticas pesadas e muitas vezes injustas!

Ah, é muito bom participar do Conselho Fiscal do Mundi Residencial Resort e constar que o dinheiro  dos condôminos  está sendo empregado em benefício geral, indistintamente! Pena que poucos entendem o papel de um síndico e lhe criticam por ter feito e pelo que não poderia ter feito e deixou de fazer, como em toda e qualquer administração pública.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

VOTO DEMOCRATICAMENTE IMPOSTO!


Na democracia do voto imposto aos eleitores brasileiros, com penas punitivas e outras restrições na sua vida civil para quem não cumprir seu dever, o resultado dos votos brancos, nulos e abstenções surpreendeu até o  TSE- Tribunal Superior Eleitoral que, como se fosse mesmo uma surpresa e novidade, prometeu descobrir as razões  que estariam por trás do grande desinteresse dos eleitores pelo exercício de sua cidadania quase imposta também. O exercício da cidadania plena antes de ser um direito é um dever e uma obrigação de todos os cidadinos. Os votos talvez fossem de protesto silencioso talvez fossem contra a péssima qualidade da classe política hoje no poder dos diversos Estados do Brasil.  Ou talvez não fosse nada disso! Contudo,  os votos inúteis foram  maiores do o total da população de muitos países europeus.  Uma das causas poderia ser a péssima qualidade dos políticos que se apresentam como “defensores dos interesses e causas sociais”,  mas outras causas e fatores também podem se esconder por trás do desinteresse político.

Como disse o filósofo e matemático grego Platão, fundador da primeira instituição superior do Mundo Ocidental juntamente com Sócrates e seu pupilo Aristóteles,  “ não há nada de errado com aqueles que não gostam de política, simplesmente serão governador por aqueles que gostam”.

Em pesquisa feita pela empresa Nexo ((https://www.nexojornal.com.br/expresso/2016/10/03/O-que-votos-brancos-e-nulos-as-absten%C3%A7%C3%B5es-e-a-queda-da-participa%C3%A7%C3%A3o-dos-jovens-t%C3%AAm-a-revelar). e analisada  pelo cientista política da UFRJ, Jairo Nicolau, dos dados coletados pode ser observado que “há sinais de desinteresse e de afastamento do eleitor. A desilusão pode ser maior agora do que era antes”. Ele ressalva, porém, que os dados, por si só, não poderiam ser conclusivos, mas já seria um indício forte de que alguma coisa precisaria mudar no modelo democraticamente imposto do voto no Brasil, para gerar o interesse do eleitor em participar do processo eleitoral.

Os “votos brancos e nulos” são quando o eleitor vai à urna, mas decide não eleger ninguém. As Abstenções são quando o eleitor simplesmente não comparece à urna no dia da eleição (e precisará justificar sua ausência depois para não pagar multa ou ser proibido de fazer matrículas em faculdades, tirar passaporte etc.).

No meio do bolo também desencantados com o processo eleitoral, estão os jovens entre 16 e 18 anos,, que deveriam ser mais interessados no futuro do Brasil, mas também demonstraram total desinteresse político e deixaram de depositar votos em qualquer candidato. Nas capitais onde existirá segundo turno, os candidatos vão correr atrás desses eleitores.


sexta-feira, 7 de outubro de 2016

STF 6 X 5: PRISÃO EM SEGUNDA INSTÂNCIA!


                                   
                             Pode ser que não mude nada, mas também poderá mudar!

                           Mudando ou não para melhor, como as 10 propostas oriundas do Ministério Público exigindo a criminalização da prática da corrupção e da não prescrição de crimes cometidos contra o erário público, continuam paradas nas gavetas empoeiradas que servem para arquivar projetos incômodos das  casas legislativas do Brasil, o Supremo Tribunal Federal –STF decidiu mudar o entendimento da presunção de inocência de que todo “réu é primário e de bons antecedentes até que a sentença condenatória tenha transitado em julgado”, sem qualquer possibilidade de mais recursos para qualquer instância , por 6 votos a 5,  com voto de desempate e confirmou a sua decisão tomada em fevereiro deste ano, a PRISÃO de todo e qualquer réu,  após o seu segundo julgamento condenatório.

                           De fato, em princípio, o STF mudou o entendimento do texto Constitucional, usado por muitos advogados para recorrer indefinidamente em favor de seus clientes. Esse como foi  um dos casos citados pelos ministros do STF, que julgaram favoráveis à prisão. O caso do crime cometido pelo  jornalista Pimenta Neves, que matou friamente sua namorada Sonia Gomindi. Anos depois para não ser preso, embora condenado em segunda instância, ainda recorria ao STF alegando presunção de inocência. Esse uso pelos advogados em favor de seus clientes estava sendo usado como regra e não como exceção. Contudo, se de um lado, desfigurou o texto constitucional da presunção de inocência e de que "todo réu será inocente ate o transitado em julgado" mesmo que esteja recorrido em toda e qualquer instancia, de outro, porém, a decisão do STF poderá causar mais agilidade no andamento dos processos judiciais, uma das razões para o  acúmulo e da demora em seus trâmites processuais. Por esse novo entendimento, o STF reduziu em muito os recursos procrastinatórios e qualquer réu preso poderá recorrer para outras instâncias para provar sua inocência. Embora exista em lei a condenação por seguidos recursos meramente protelatórios, nunca soube de qualquer condenação de qualquer advogado pelo uso dessa prática desmoralizante à Justiça como um todo e passando à sociedade um sentimento de que a Lei não é aplicada.

                       Enquanto isso, as dez medidas contra a corrupção continuam paradas na Câmara Federal, embora já tenha como relator o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS).  Onyx  Lorenzone quechegou a declarar que não existiria possibilidade de “afrouxar” o projeto de Lei. Ele, porém, não saiu de suas mãos e continua misteriosamente parado sob seu comando.  causando a alegria dos corruptos e  desespero da sociedade que  quer e deseja  ver o Brasil  passado  à limpo, o com uma assepsia geral em todos os poderes, inclusive no STF, que deu outro entendimento ao texto Constitucional. O deputado gaúcho declarara em um de seus pronunciamentos que “não se combate a corrupção com flores e carinho, mas com transparência, controle efetivo, eficácia, lei dura e punição” e que não “tem jeito, tem que botar o cara na cadeia”.  Mesmo com as declarações do deputado gaúcho, as medidas não receberam qualquer parecer por parte do parlamentar.

                      Não teria sido mais produtivo e definitivo, porém, uma reforma no texto constitucional e em todas as outras leis e Códigos, inclusive o Eleitoral também hoje vigentes no Brasil? Se já tivessem sido aprovadas as 10 medidas anticorrupção enviadas há algum tempo à Câmara, revisada pelo Senado, haveria a “transparência e proteção à fonte de informação” e preveniria “a corrupção”, com “possibilidade da realização de testes de integridade” e a “simulação de situações”, sem o conhecimento do agente público ou empregado, com o objetivo de testar sua conduta moral e predisposição para cometer crimes contra a Administração Pública. Também haveria o aumento de 10 a 20% dos recursos gastos hoje em propaganda da administração pública na criação de  programas e ações de marketing voltado a criar e manter uma cultura de intolerância à corrupção conscientizando a população para os danos  sociais e individuais causados pelo descarado desvio de recursos públicos. 

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

PEDIRAM-ME...!


...que esperasse
Eu esperei.
...que não votasse,
Eu votei...
...tantas coisas, tantos pedidos: uns atendi: outros, não!
Agora, pedem-me que cale diante dos erros políticos:
Não me calarei.
Não sou covarde!
Morrei lutando,
Sonhando com um Brasil para todos,

E com o fim dos políticos corruptos!

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

EM QUESTÃO DE POLÍTICA... (para Adelson Santos) *(https://www.youtube.com/watch?v=YzcX6OpiAlM)



Ao contrário do que canta o amazonense Adelson Santos, em seu excelente LP “Não Mate a Mata”, de 1989,  afirmando que em “questão de Solimões, o fundamental é saber que o Negro não se mistura  com o Amarelo”, em questão de política, nunca será muito fácil entender a vontade dos eleitores: tudo se mistura, se complementa, se funde e se corrompe no final, voltando às práticas antigas dos substituídos. Não houve candidatos perdedores na disputa: só a democracia venceu!

Manaus terá segundo turno entre os candidatos Artur Neto, atual prefeito e o ex-deputado estadual Marcelo Ramos. Desesperados, muitos candidatos em todo o Brasil descumpriram a legislação eleitoral e derramaram santinhos em frente aos locais de votação, ao ponto de uma eleitora ter derrapado em cima deles e dito que estavam emporcalhando a cidade e, em Itumbiara, Goiás, o prefeito que concorria à reeleição foi assassinado, o vice-governador e secretário de segurança baleado. Todos eles, desfilavam  em campanha eleitoral, em um carro aberto, dando um péssimo exemplo ao povo, descumprindo o Código de Trânsito Brasileiro. Quando o motorista que dirigia o veículo foi atingido de raspão e freou bruscamente a pick-up, várias caíram de dentro de sua carroceria e, como se fosse um voto de revolta contra o assassinato do prefeito José Gomes da Rocha, (PTB) de 58 anos, os eleitores elegeram com 36.143 votos, o seu o seu substituto Zé Antônio (PTB). Vá entender...!

Em questão de política, é difícil mesmo entender as lógicas do processo eleitoral, sem muita lógica e com muitos interesses envolvidos, sejam de grupos, coligações ou de doadores de campanha. Muitos candidatos receberam até doações de recebedores de Bolsa Família e até alguns mortos contribuíram com dinheiro para a campanha. Eles, porem, podem ter sido usados como laranjas para esconder quais seriam os verdadeiros doadores, principalmente os mortos. Como pode uma pessoa morta enviar dinheiro do céu ou no inferno para candidatos, se lá não existem bancos? Em questão de política, é difícil entender essas coisas estranhas...

No município Amazonense de Coari, terra do petróleo, com o prefeito Adail Pinheiro  preso há mais de um ano por crime de pedofilia e a Câmara Municipal nunca julgando definitivamente seu processo de impeachment, Adail Filho, o “Adalizinho”, consanguíneo diretos e a chapa com sua irmã impugnada pela Justiça Eleitoral, recebeu 21296 votos.  Nesse caso, porém, muita briga ainda vai ocorrer na Justiça Eleitoral, com a judicialização do pleito. É muito estranho e difícil de entender o que pensam os eleitores do município, cujo povo permanece vivendo quase na miséria, com a péssima distribuição dos recursos advindos da Petrobras! Na disputa para cargos de vereadores Câmara Municipal de Manaus, não houve perdedores ou vencedores. Perder ou ganhar é inerente à qualquer disputa eleitoral. O que define ganhar ou perder é da decisão de concorrer a alguma coisa na vida. Jamais dará empate. Em Manaus, contudo, continuarão disputando a preferência dos eleitores dois candidatos apoiados, um pelo ex-ministro das Minas e Energias, Eduardo Braga e outro, pelo povo que quer mudanças éticas, morais e nas práticas políticas na condução dos destinos da cidade.  No final, tudo será a mesma coisa e aparecerão todos com novas promessas para governar a cidade. Se forem resolvidos pelo menos dois gargalos históricos da cidade, o ridículo porto de Manaus, do século XVIII e a Estação Rodoviária, do século XX, já terão pelo menos feito alguma coisa... Que vença o melhor dos piores!


Em questão de política é sempre muito difícil entender a vontade dos eleitores, que se iguala a muitos políticos pelas práticas diárias nem sempre muito éticas e morais em seu conjunto e atitudes! Boa sorte aos dois candidatos. Desejo a todos de todas as cidades do Brasil que reelegeram seus prefeitos ou que os escolherão em segundo turno, como em Manaus, que governem bem suas cidades, respeitando e ouvindo o povo em suas principais demandas, afinal esse é o objetivo primordial da democracia!