segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

AS REVOLTAS: (UM RETRATO DO BRASIL DE HOJE)


Histórica e socialmente, em todas as revoltas registradas no mundo, começaram com o povo mais simples sendo usado como “bucha de canhão”, “massa de manobra” para outros atingirem seus objetivos, sejam eles mediáticos e inconsequentes, sejam eles para, depois de alojados em seus objetivos, massacrarem o mep povo que os ajudou. Foi assim em todas as revoluções que mudaram os destinos e a história do mundo e será assim também no Brasil, no qual se digladiam duas forças antagônicas, por objetivos iguais: um querendo derrubar o outro, por motivos torpes. De Eduardo Cunha, presidente da Câmara Federal, que posa de bom moço e nega tudo e a presidente Dilma Rousseff, contra quem pesam as mesas acusações que já pesaram contra o ex-presidente do Brasil, Fernando Henrique Cardoso,  há 16 anos passados, feitas pelo partido que agora é Governo: subida da inflação, falta de ética, economia estagnada e outras acusações. Lenta ou rapidamente, a revolta surge na natureza política, no mundo! Com mais força e problemas, ocorre no Brasil, em forma de protestos silenciosos ou barulhentos. Tudo é a famosa teoria do retorno: o que se faz de ruim, se recebe de volta em dobro, seja o que for e como e quando for! Como as águas dos Rios Negro e Solimões, no Amazonas, invadiram municípios e devolveram todo o lixo despejados em seus leitos, o mesmo está ocorrendo na política atual do Brasil: o lixo, podridão, esquemas de bastidores e as negociatas estão emergindo do fundo do mar de lama em que se transformou a política do país e destruindo tudo. Com relação específica ao Brasil, qualquer outro partido que estivesse hoje na Presidência da República e não o PT, talvez fizesse o mesmo, se quisesse apurar a roubalheira e a sangria dentro da Estatal que, sozinha, representa mais ou menos 3% do PIB Nacional. Nos pequenos municípios e nos Estados, administrados por partidos políticos que não sejam só o PT, continuariam desviando recursos públicos e desrespeitando a aparente frágil natureza - que pede socorro -, A maré reivindicaria em dobro tudo o que lhe levaram sem lhes pedir permissão, defendendo-se e destruindo as construções irresponsaveis autorizadas por autoridades em praias, dunas e areias, levando ruas, casas de veraneio, calçamentos, aterros etc, Se existiram ou não propinas para essas autorizações, ou não ouso dizer porque me faltam elementos comprobatórios. Contudo, mínimo é estranha a cincessao de autorização para construção em faixa de domínio da Marinha do Brasil. A natureza está sendo despertada pelos impactos que o homem produz em troca de uma suposta beleza e um aparente conforto mesmo que essa revolta surja em forma de derrubada de encostas, construções de contenções, despejando sujeira na maré. As pessoas fazem construções irregulares por necessidade social ou.pura ostentacao em praias poluídas. Agora, estão sofrendo as consequências de seus atos irresponsaveis. Depois, reclamam contra a sujeira, o mal cheiro, a poluição e cobram providências dos poderes públicos. Não dá para enfrentar a natureza sem que se receba de volta suas consequências!

Nas ruas, o povo está cobrando providências para minorar as catástrofes naturais que matam, dizimam e sepultam vivas pessoas. As marés estão cobrando os espaços que perderam para o homem, de forma mais violenta que podem. É a natureza reivinfivando em dobro tudo o que fizeram contra ela e continuam fazendo contra sem a menor preocupação com o que lhes acontecerá depois. Muitos, por pura necessidade social de moradia, erguem barracos em encostas ou em cima de morros, outros pela vista privilegiada que passarão a ter e mais alguns pelas possibilidades que terão para ganhar dinheiro com o aluguel de barracas para turistas. Em Macapá, Salinas, Fortaleza e outros locais em que invadiram e destruíram os arrecifes naturais, construíram muros de contenção para impedir que as ondas invadissem e derrubasse as construí és, mas, não impedem a fúria da natureza. Em outro aspecto, pelas ruas do Brasil, desfilam tranquilamente menores infratores protegidos pelo ECA, usando drogas e nada é feito em favor deles em termos de saúde pública, a não ser discutir a redução da maioridade penal, sem pensar que outros menores sem educação, como determina a Constituição, possam ser arrastadas para a marginalidade e o vício?! Previa e escrevi sobre isso no blog carloscostajornalismo, logo que implantaram o Estatuto da Criança e Adolescentes: menores seriam usados para assumir crimes por maiores, o que já está ocorrendo. Todos sabem, mas fingem não saber. Reduzir a maioridade penal, sem investir na melhoria da Educação, foi o mesmo que convidar mais menores para assumirem crimes pelos maiores porque o ECA determina - mas não acontece - , que os infratores sejam ressocializados e reinseridos na sociedade, o que é plenamente possível em termos sociais, usando apenas educação, esporte, tratamento contra a dependência química e retorno à sala de aula, como explicitei no livro A CIDADANIA COMO FATOR DE RESGATE SOCIAL (blog carloscostajornalismo). Por que, não apenar os infratores a cumprir três anos de medida socioeducativa, com educacao obrigatoria, acompanhada pelo Estado, pelo crime cometido, em vez de só reduzir a maioridade penal para 16 anos? Talvez seja porque o Estado já tenha certeza de que não teria como cumprir essa obrigação, como também não cumpre com várias outras obrigações legais! Cadê as 40 mil novas prisões que teriam que ser construídas no Brasil, caso a redução da maioridade penal fosse reduzida para 16 anos. Foi reduzida e cadê as 40 mil novas prisões como disse o ministro da Justiça, Eduardo Cardozo, para não permitir essa redução. O Estado, via PT, também pratica a mentira, o amedrontamento e impõe o terror psicológico à sociedade. Nem tudo o que diz, o é de verdade, infelizmente.

Quando estive em visita em Salinópolis, depois de vários anos sem visitar o ocal, percebi construções e barracas que não existiam antes. A maré também não recua mais como em anos anteriores. Os canais com lagoinhas para banho também não se formam mais como ocorria no passado. Agora, permanece só uma pequena faixa de areia que se vista. Essas mudanças foram motivadas pela ação maléfica do homem. O mar avança, agora, de forma mais violenta e rápida, embora o horário de descida e subida das marés permanecem o mesmo! No caso do lixo depositadonas águas e trazidos pelas dos rios do Amazonas e dos 7 mares do mundo, voltam, como se fosse um presente e se depositam no lugar do qual nunca deveria ter saído – embaixo das casas dos “porcalhôes” de plantão.

Agora reclamam do mal cheiro e cobram das autoridades! Por que não jogarem o lixo descartado nas águas e não colocam perfume para não o receberem com cheiro agora? Seria ótimo, mas muito caro e provavelmente exigiriam que o poder público colocasse perfume no lixo antes de o descartarem nas águas dos rios e dos mares! Ninguém isoladamente é culpado e nada. Todos são culpados, mas acusam só PT por tudo que é ruim, de péssimo e não percebem que a sociedade é a principal culpada embora cobre e culpe o poder público por tudo! A presidente Dilma Rousseff não está fazendo um bom Governo. Contudo, se ela presidente sofrer impeachment, toda a sociedade deve sofer o mesmo junto a presudente, com como escrevi na crônica IMPEACHEMENT DA SOCIEDADE! (carloscostajornalismo).

Cansei de ler pelas redes sociais tantas hipocrisias acusações e leviandades!

5 comentários:

  1. Luiz Castro/deputado estadual no AM7 de dezembro de 2015 09:04

    Responsabilidade coletiva

    ResponderExcluir
  2. Wagner Sabino (Jornalista)7 de dezembro de 2015 10:16

    Muito boa sua análise técnica, profissional e apartidária.

    ResponderExcluir
  3. Quase impossível de acreditar, mas é a pura verdade

    ResponderExcluir
  4. Impossível acrescentar algo mais a este seu texto!

    ResponderExcluir
  5. Reduzir a maioridade penal é discutível.
    Agora, um menor matar cruelmente, estuprar e cumprir 3 anos, numa instituíção, qundo cumpre, e sair livre com a ficha limpa...Já vi professores agredidos verbal e fisicamente e nada pode ser feito.

    ResponderExcluir