segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

SAUDADES DOS ANTIGOS FESTIVAIS (Ditadura das TVS abertas)


O químico francês Antoine Laurent de Lavoisier, garantiu que “na natureza nada se cria, tudo se transforma” . Charles Darwim,  garantiu que na natureza, tudo sofre  adaptação natural ao meio, na sua teoria evolucionista que foi divulgada na obra “Dos Seres, das Espécies, das Plantas e das Coisas” . Anos depois, o apresentador d de TV Globo, José Abelardo Barbosa de Medeiros, o “Chacrinha” falecido aos 71,  anos de idade, no Rio de Janeiro garantiu “em televisão nada se cria, tudo se copia”. E copia o que de pior existe na televisão mundial.  Toda TV é movida pelo dinheiro imediato e o poder para dominar os telespectadores, emburrecendo-os ainda mais, alimentam os lucros com telefonemas, pensando que estão escolhendo ou eliminando alguém e, o pior, pagando por isso a cada vez que retiram o telefone do gancho e completam a conversa! 

A Rede Globo de Televisão, principalmente, - mas não fui a única -  adquiriu os direitos de transmissão e realizará programas de gosto duvidoso, empurrando-os goela a baixo dos telespectadores, as baixarias divulgadas por câmeras escondidas em toda a casa do BBB ou escolhendo “a menor voz do Brasil”, entre os cantores que participam do “The Voice Brasil”. Agora, já anuncia também o “The Voice Kids”. Esses programas de baixa qualidade e de muito Ibope, rendem audiência e muito dinheiro,  mostrando mulheres no desnudas dentro do BBB em um confinamento, que o jornalista Pedro Bial, os trata como se fossem “heróis” reais, porque produzem brigas, discussões e muitas baixarias e aguentaram passar 90 dias se expondo para câmaras espalhadas por toda casa. Se herói for isso, o Brasil é o quê? Aguenta corrupção política, embates políticos e brigas de bastidores pelo poder, de forma mais ridícula ainda. No caso da “melhor voz do Brasil”, não seria mais lógico retornarem os antigos festivais de música?

Depois da fama no BBB, as mulheres posam nuas para revistas masculinas e tudo desaparece.. Todos se transformam em meros anônimos e são lembrados em poucos eventos, cobrando caches para se fazerem presentes! Os heróis anônimos do Brasil, são o povo, porque aceita tudo calado, inclusive essa baixaria na TV brasileira e, no caso da eleição de políticos que desviam dinheiro público e a culpa é dos eleitores que votam pelo calor do momento e não pela melhor e mais viável proposta de campanha. A maioria pobre do povo brasileiro também é heroi porque não tem condições de pagar mensalmente por uma cara assinatura de TV fechada e ficando obrigada a assistir à ditadura imposta pela chamada “Vênus Platinada” e outras emissoras que também produzem programas adquiridos de outras emissoras. Nem o “The Voice Brasil”, muito menos o BBB ou “A Fazenda”, nada representam em termos de qualidade, não acrescentam em coisa alguma à melhoria do Brasil!


Confesso que, nostálgico, senti falta dos antigos festivais de música realizados pela TV Tupi, no “Maracanânzinho”, que revelaram e se sustentaram  no cenário musical do Brasil,  cantores como Chico Buarque de Holanda, Gilberto Gil, Geraldo Vandrá, Gesse e tantos outros. Em minha nostalgia, lembrei da letra da música “Desencontros de Primavera”, na qual Hermes de Aquino, garante que “uma andorinha, no céu, passou e disse”, que  da Globo é uma grande ilusão, igual a uma “nuvem passageira”, composta pelo mesmo autor. E o pior é que “não foi embora” e nem irá tão cedo porque agora a Globo começou a anunciou o início do The Voice Kid e um novo BBB para 2016.

Por que será que o apresentar de TV teria afirmado que em TV nada se criava, tudo se copiava e, pior, com péssimo gosto,. Esses programas produzem dinheiro rápido: mas não, cultura ou qualidade, muito menos talento musical perene e com duração até que a morte os leve. Depois de vencerem ou o BBB, o The Voice Brasil ou “A Fazenda”, receberem os prêmios, as mulheres que se destacarem durante os ridículos e pervertidos programas de confinamento, posarem nuas e brilharem por poucos dias e depois ficam esquecidas, mas o excelente jornalista Pedro Bial continua produzindo seus “heróis” de mentira, de pura e erótica fantasia, totalmente fora da realidade. Por que não escutaram o recado deixado pelo apresentador da TV Globo, o “Chacrinha” e voltam a promover os antigos gostosos festivais que lotavam a quadra do Maracanâzinho? Ele próprio, de forma irreverente, revelou vários cantores, que se apresentavam como calouros em sua programa. Muitos recebiam buzinadas porque eram ruins demais! Outros, cantavam até o fim e recebiam os aplausos no final!

Esses ridículos programas possuem audiência com as suas exibições. As TVS, contudo, não ganhariam dinheiro tão rápido com as pessoas ávidas de bisbilhotar a vida alheia. Não telefonariam, não eliminariam e nem decidiriam que seria o “herói” do Pedro Bial. Muito menos poderiam escolher pelo telefone também, “a melhor voz do Brasil” como diz o apresentador Tiago Laifert, ou eliminar ou manter alguém dentro da “Fazenda”.É...Hermes de Aquino, você tinha razão quando compôs a música “Desencontro de Primavera”: “Ai, desacerto que cruza nossas vidas tão  normais/a solidão que vem/é alegria que vai”. E quando será que esse desacerto na programação aberta da TV Globo deixará de cruzar nossas vidas nada normais e continuará produzindo a solidão que veio para ficar e deixar saudades da alegria dos antigos festivais para os que tiveram a alegria de vê-los pela TV ou ao vivo, com os cantores de vozes excepcionais, com letras geniais, se esmerando no palco? Até quando essa “tristeza cortará a alma da gente“? Será que “antes que  a primavera se decida/ à pôr as flores nos campos,/e o verde nas folhas/com o barulho de mar/o sol por sobre a cidade/o vento irá  cessar” e a hipocrisia da TV Globo que não acrescenta em nada de cultura do Brasil, chegará ao fim? Com a letra da música de Hermes de Aquino, que também foi engolido pelo consumismo mediático do dinheiro, concluo essa crônica: 

“Ah! a solidão é uma canoa/navega o corpo e a alma voa/além do céu, além do mar/ Ah! No pensamento a gente voa,/qualquer problema é coisa à toa,/fica tão fácil de se amar...”

7 comentários:

  1. Inesqueciveis , nós decoravamos as letras das músicas , que eram enormes !

    ResponderExcluir
  2. Carlos Costa amei a conclusão da cronica.

    “Ah! a solidão é uma canoa/navega o corpo e a alma voa/além do céu, além do mar/ Ah! No pensamento a gente voa,/qualquer problema é coisa à toa,/fica tão fácil de se amar...”

    ResponderExcluir
  3. Carlos, estamos valorizando o consumismo, falta aos técnicos tempo para analisar projetos com mensagens cultural, social, da forma, que informe as diversas faixas etárias o direcionamento profissional a seguir.

    ResponderExcluir
  4. Roberto Fraga Junior28 de dezembro de 2015 13:49

    Meu pai havia escrito algo na mesma linha. Gostei!! Vocês pensam da mesma forma!

    ResponderExcluir
  5. Luiz Castro/deputado estadual no AM28 de dezembro de 2015 14:25

    Concordo plenamente com essa sua análise sobre o BBB....uma coisa horrorosa, culturalmente empobrecedora e aviltante.

    ResponderExcluir
  6. Muito bom querido! Tenho saudade desses maravilhosos festivais também. Neles estavam em jogo, qualidade da letra e musica, bem como empatia com a plateia, onde ficavam as torcidas organizadas. Não havia o tal voto de telefone, onde ninguém tem acesso a informações legais. Ninguém sabe se de fato é levado em consideração o voto popular, ou se apenas, esconde uma verdade e se vangloria de quem eles querem apadrinhar, por considerarem presa fácil de massa de manobra, pra ganharem dinheiro. Hoje já não acredito nessas coisas de televisão. Porque tudo é feito apenas com aparente pensamento para o público, mas no fundo, apenas servem de chamaris para ganhos em seus benefícios. Beijos

    ResponderExcluir
  7. Maria José Oliveira28 de dezembro de 2015 17:36

    ...que belas lembranças você tem.

    ResponderExcluir