sexta-feira, 25 de outubro de 2013

CONJUNTO HABITACIONAL FRANCISCO QUEIROZ! MAS QUEM FOI ELE

O prefeito de Manaus, Arthur Neto, descerrou as placas de inauguração de dois conjuntos habitacionais, somando  apartamentos do Programa de Desenvolvimento Urbano e Inclusão Socioambiental de Manaus – Prourbis, no Bairro Jorge Teixeira, na Zona Leste, homenageando Helso do Carmo Ribeiro e o Deputado Francisco Queiroz. Todos os 88 apartamentos, 68 no primeiro e 20 no segundo, possuem 45 metros quadrados de área construída, contendo sala de estar, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço, além de área de estacionamento, convivência e playground.

Mas quem foram os dois homenageados? Nas placas de inauguração nada existia além dos nomes, embora um assessor do Prourbis, também confessara que ficara surpreso porque teria ficado uma manhã pesquisando informações para  constarem nas placas, mas nada fora colocado. E os Conjuntos Habitacionais foram inaugurados sem informações mínimas e a história terá dificuldades no futuro para registrar a razão das duas homenagens!

De Helso do Carmo Ribeiro, além de ter sido advogado, tio do prefeito e Conselheiro do Tribunal de Contas, foi grande figura pública. Mas como genro do deputado Francisco Queiroz e com quem convivi por longos anos, divulgando suas atividades como advogado e o admirando como político, tenho muito o que falar. Um dia, ao escrever sobre um processo no qual Francisco Queiroz atuava - como citei na matéria veiculada em A NOTÍCIA, com o nome de “Adriano Queiroz”, que era o nome de seu escritório, uma homenagem ao seu irmão, igualmente advogado, falecido aos 54 anos, como chefe da Procuradoria Geral do Estado, durante o primeiro Governo de Gilberto Mestrinho - ele ficou irritado e seu sobrinho e advogado Flávio Queiroz se encarregou de justificar para o então deputado e advogado que “havia apenas confundido os nomes”. Depois, levado pelo seu sobrinho a conhecê-lo, passamos a  ter uma amizade profissional constante!

Estavam presentes à solenidade os filhos do homenageado: advogados Raimundo de Queiroz Neto e Yara Marília de Souza Queiroz e Vera Queiroz Marques, assistente social, casada com o administrador de empresas e escritor Carlos Coutinho Marques. Os filhos do deputado ajudaram o Prefeito Arthur Neto a descerrar a bandeira que cobria a placa de inauguração.

Mas quem foi o deputado Francisco Queiroz? Ele nasceu em 1928, na comunidade do Cambixe, na Fazenda Baturité, filho de Raimundo Queiroz e Francisca Guedes de Queiroz, e faleceu aos 59 anos, em 1987, durante processo cirúrgico cardíaco com o Dr. Zerbini, em SP. A fazenda Baturité era uma homenagem a uma cidade do interior do Ceara, de onde veio a origem da família para ser um dos maiores produtores de melancia e fornecedores de leite e queijo para Manaus, nas décadas de 60/70.

Mas quem foi o deputado Francisco Queiroz, que nada informa na placa de inauguração do conjunto que leva seu nome? Como deputado estadual, foi o primeiro político com mandato a apoiar a candidatura de Arthur Virgílio Neto porque viu naquele jovem uma promessa de oposicionista determinado, com discurso libertário contra o Governo Militar, que usava cabelos caídos a testa, calçava tênis e vestia calça jeans, durante sua primeira campanha à deputado federal, ao lado de Gilberto Mestrinho, que voltava do Rio de Janeiro para disputar o Governo do Amazonas.

Nas duas primeiras campanhas juntos, as camisas de campanha de Francisco Queiroz/Arthur Virgílio Neto, um buscando a reeleição e, outro, tentando se eleger deputado federal, foram todas pintadas à mão por Maria Luiza Queiroz, esposa do deputado, mas também uma exímia pintora e a primeira acordeonista a se apresentar ao vivo no Amazonas, na Rádio Difusora, com o pseudônimo de “Yara Marília”. Francisco Guedes de Queiroz, além de advogado, foi político por 28 anos, sendo 26 deles como deputado na Assembléia Legislativa do Estado e dois anos como vereador na Câmara Municipal de Manaus.

O deputado Francisco Queiroz, conheceu Arthur Virgilio Neto por intermédio de seu pai, o advogado Arthur Virgilio Filho. Decidiu ajudá-lo, apresentando-o aos seus eleitores e levando-o ao interior aonde ainda era desconhecido, em sua primeira campanha. Muitas vezes quando se reuniam na casa do deputado estadual para avaliação de campanha, Maria Luiza deixava a casa no Conjunto Uirapuru para comprar churrasco viajando” para servir aos cabos eleitorais e aos dois candidatos às respectivas vagas, quando das caminhadas na campanha eleitoral.


O deputado Francisco Queiroz, militando sempre pelo MDB, foi um dos que votou contra a cassação de Arlindo Porto, mas foi voto vencido e o parlamentar terminou cassado pelos seus próprios pares, por incrível que pareça, sem a imposição do Governo Militar, mas teve seu mandato restituído anos mais tarde por propositura do deputado estadual Arthur Bisneto, filho do atual prefeito. Francisco Queiroz foi um deputado oposicionista simples, honrado, honesto e que entregava todo o dinheiro recebido de suas atividades no parlamento do Amazonas nas mãos de sua esposa Maria Luiza Queiroz. Ela é quem administrava suas despesas...

5 comentários:

  1. Como sou do RJ, morreria sem saber dessa história. Obrigado por mais uma bela aula de história desse imenso Brasis. Abraços Fraternos.

    ResponderExcluir
  2. Ao homenageado,minhas homenagens. A sua foi muito bonita e honrosa . Você fez sua parte e por isso as acções ficam com quem as pratica sem que nada se espere de volta e sem que a nossa mão esquerda saiba o que fez nossa mão direita.Nada se perde,porque tudo fica registado no Computador Universal. Aquele abraço de além-Mar.

    ResponderExcluir
  3. Francisco Bezerra19 de julho de 2014 11:47

    CARLOS COSTA,
    Quando prestarmos homensgea algum pessoa, que julgarmos merecedora, devemos fazer no teiro teor, para que seja reconhecido por todos que os conheceram e aqueles que ouviram falar, mas, na vida existe esse tipo de ocorrencia, os seres humanos as vezes por empolgação quando se encontra com o poder até acreditam que seja DEUS, tomam decisão sem ter a humildade de agir pela razão.
    O tempo seguramente poderá corrigir esse ato falho, nós dos Sistema CNT quando o homenagiamos alguém o fazemos lendo para todo publico presente o historico da vida daquele homenagiado e registrando em local visivel para que todos os presentes e os visitamtes futuros saibam porque aquela pessoa mereceu ser homenagiado, mas, nem todos são iguais. A vida continua.
    Tenho observado a distancia acontecimentos comportamentais de muita gente que os ajudei de varias formas e meios sem que para tal cobrasse qualquer contrapartida, no entanto, essas mesmas pessoas agem de maneira totalmente diferente com sempre o fiz e faço até hoje, gostaria de lembrá-los que nesse plano tudo passa muito rápido e nada vamos levar para eternidade, salvo as boas ações que possamos praticar.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom, Carlos!
    Fui Reitor da UNIPAM, e lhe contarei um fato emblemático da genial capacidade de ser amigo e emanar simpatia, que tinha o Governador Mestrinho.
    Cheguei a Palácio - quando ainda era o Rio Negro - e por acaso saiu o assunto da visita do Príncipe Herdeiro da Tailândia, que visitara Manaus por aqueles dias. O Governador me mostrou uma carta, dizendo "Veja Reitor, o Rei da Tailândia me escreveu dizendo que o filho gostou mais de Manaus em sua viagem pelo Mundo".
    E continuou dizendo que achava que era porque quando o rapazinho chegou levaram-no para o Hotel Tropical e o trancaram lá. O Governador fez-lhe uma surpresa: Passeio no Iate do Governo com umas cabrochas a bordo.
    O Amazonas continua a ser um lugar no meu coração, Carlos Bezerra!
    Cordial abraço,

    ResponderExcluir
  5. Professor Francisco Guedes Queiros lecionava as Disciplinas de Estudos Sociais no Colégio D.Pedro II nos ano 70 e 80 fugura de grande estima dos amazonenses

    ResponderExcluir