quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

ESSES LADRÕES... (escrito em 1982)

Texto escrito em 1982 e classificado no Concurso Nacional de Contos/Crônicas Parranavaí,PR, em plena  época da censura militar, criticando indiretamente  os elevados impostos no Brasil. 
Como o encontrei perdido entre meus antigos arquivos perdidos, decidi republicá-lo sem qualquer alteração porque ainda serve para os dias de hoje!

ESSEA LADRÕES...


Certa vez, um ladrão decide entrar na loja de um comerciante e anunciar:   

-E um assalto, gritando e puxando um revólver 38 da cintura e empurrando-o na cara de um homem que tranquilamente, ao cair da tarde, encerrava o expediente da loja, contando o dinheiro. 

 - Calma amigo! Todo ladrão que entra em minha loja sempre traz um documento de identificação...carteira do órgão tal, ou órgão tal... O ladrão, já meio nervoso, responde

 - Que outro documento de identidade o senhor quer de mim, além desse meu revólver apontado para sua cabeça.

 - Ah, nem tinha notado esse detalhe...Mas o senhor pertence a qual sindicato ou associação...?

  Irritado, o ladrão fez menção que atiraria.

 -Calma moço. Calma! O assalto não está se dando da forma correta! 

 - Como não? – perguntou o ladrão, ao comerciante que estava sendo assaltado.        

- É que sempre que aparece um ladrão para fazer um assalto em minha loja,  sempre pega meus dados primeiro, depois  vem pelo correio uma multa,  eu pago a multa. Assim, se torna o assalto profissional e oficial!  É só isso que estou querendo lhe explicar.

 - Mas eu sou um ladrão profissional!

- Prove o que você está dizendo! Sempre que entra um ladrão em minha loja para cometer um assalto, ele sempre apresenta um documento com foto e o nome...                

- Mas eu sou um ladrão profissional...- respondeu o larápio, já bastante nervoso.         

 - Então, meu amigo, eu lhe convido para ser o meu sócio na loja. Você, até agora, foi o único ladrão honesto que conheci na vida porque os outros só me mandam as coisas pelo correio, em forma de autuações, multas etc. Você, ao contrário, teve coragem de entrar aqui armado, pedir o dinheiro, o que eu acho justo! E, além de tudo, um ato de muita coragem!

 - E o bandido respondeu: não aceito não, porque aí eu terei que ganhar honestamente e isso eu não quero não! Prefiro pegar o que é meu e ir embora correndo, antes que a polícia chegue.

 E a polícia chegou. O comerciante, enquanto distraia o assaltante, acionou o alarme de roubo da loja e a polícia ainda o pegou com a arma na mão.                       

- Calma autoridade, muita calma nessa hora! Eu estou sendo preso só porque fui honesto e tive coragem de vir pessoalmente cobrar este cidadão honesto e, ao mesmo tempo, expropriado. Pior são os outros que não têm coragem de meter a cara e ficam só fazendo cobranças através de boletos de autuações, multas disso e multa daquilo mais.

Não teve perdão. Mesmo alegando a sua honestidade no roubo, o ladrão fora preso.               

 Uma vez, frente ao delegado, o ladrão tenta se explicar.  

O caso foi o seguinte, autoridade constituída. Eu fui só à loja cobrar o que é meu de direito porque também sou apenas mais um ladrão sem crachá e sem identidade de qualquer órgão público!

- Sei – respondeu o delegado.

 E foi em cana assim mesmo, mesmo sendo o mais honesto dos ladrões. Os outros, apenas se disfarçam com documentos de órgãos públicos.

13 comentários:

  1. A indignação nos mantém vivos.Abraço, FELIZ ANO NOVO, amigo.

    ResponderExcluir
  2. Realmente é muita coragem

    ResponderExcluir

  3. Meu amigo e bravo jornalista, Carlôs. Uma oportuníssima republicação, companheiro. É claro que continua atual, só que cores já consideradas muito delicadas. Hoje, os ladrões maiores estão circulando pelaí e as sacolas de dinheiro vão mudando de mão em mão e, cada vez vão ficando mais pesadas. O termo jurídico "prisão domiciliar" deveria ser mudado para "livramento familiar", pois eu não creio que os de colarinho branco fiquem confinados às 4 paredes de sua casa. O Zé Dirceu continua trabalhando ou entrou em férias permanentes? O Genoino já ficou bom do coração? Amigo, vamos continuar mandando o malho. Uma hora dessas a gente acerta! abç

    ResponderExcluir
  4. Muito bom!!! Parabéns pela coragem. Pois creio que poucos tinham a coragem que você teve para falar sobre esses ladrões que até os dias de hoje nos roubam descaradamente. .. 👏👏👏

    ResponderExcluir
  5. Cara. Gostei muito do texto....e me fez lembrar de um outro .e quero que me digas de quem é..ok.
    Á e me perdoe se a escrita não estiver correta..

    Texto

    A vovó pergunta ao seu netinho.
    Filho o que vc quer ser quando crescer.?

    Aí ele responde. Ladrão . Vovó.
    E ela
    a mais p ser ladrão vc tem que estudar muito netinho.
    E ele assustado..mais vovó .justamente por isso que quero ser ladrão..porque não quero estudar...

    E ela disse mais p vc ser um ladrão . Vc precisa estudar se forma. E se tornar. Uum juiz. Fiscal. Delegado.advogado entre outros...kkkkkkkkkkkk
    Ou ser político.

    ResponderExcluir
  6. Vilma Otter Carvalho/Holanda12 de janeiro de 2015 04:26

    Parabéns...����Costa, atualíssimo corajoso vc hein,��De fato na mudou só aumentou o profissionalismo da profissão indesejada.

    ResponderExcluir
  7. Muito esperto você, comprou a boiada de porteira fechada sem precisar dar nomes aos bois

    ResponderExcluir
  8. Ozório José da Fonseca Menezes12 de janeiro de 2015 04:31

    Verdade, muito atual so que naquela epoca os presidentes morriam pobres.

    ResponderExcluir
  9. CELINA MÁRCIA COMPOSÉ13 de janeiro de 2015 17:59

    Premio muito merecido, adoreiiiiiiii!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  10. Atemporal (embora hoje não se possa fazer algumas das coisas ali mencionadas).

    ResponderExcluir
  11. Amarildo Fernandes Paticce/MG24 de março de 2015 15:02

    Oi Poeta, bom dia.

    Você tem muita história pra contar.

    Muita gente também tem, mas tua diferença é que você registrou sua memória e tem prazer em compartilha-la.

    Que Deus cuide muito bem destes preciosos neurônios.

    Um abraço,

    ResponderExcluir
  12. Reflexão atualíssima.

    ResponderExcluir
  13. Silvana Brandão12 de maio de 2016 19:06

    Gostei da crônica, realmente digna de um prêmio.

    ResponderExcluir