quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

A JANELA E O TEMPO!

Ao escritor J. Estanislau Filho.


Aberta, a janela via o tempo passar. 
Muda, só observava a chuva 
deixando seus pingos escorrendo no vidro 
escuro por película 
o tempo passava rápido demais;
A janela, agora, não vê mais o tempo passar...
Ela se fechou  
e morreu para o mundo!
A janela, hoje, está muda, 
cega e morta para a vida e o mundo 
e nada mais registram os olhos do menino 
que também via o mundo passar pelo alpendre de sua janela, 
Contando o tempo e querendo que ele corresse!
O menino, hoje, deseja que o tempo que não viu passar 
retorne para que possa para vê-lo 
passado lentamente! 
mas o desejo do menino-homem é impossível!

9 comentários:

  1. AMEIII CARLOS COSTA.

    ResponderExcluir
  2. Pedro Paulo Costa1 de março de 2016 15:54

    Belo e introspectivo! Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Carlos, com este não há discordância. Muito bom, muito legal. Um abraço, sem mágoas.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns, Carlos, pelo seu belo e reflexivo poema! beijos ternos,

    ResponderExcluir
  5. - J Estanislau Filho1 de março de 2016 16:01

    Muito bom Carlos. Brotou do seu âmago. Abraço.

    ResponderExcluir
  6. ádorei teu texto , eu ja senti isso , de querer que o tempo simplesmente acabasse, alguns depois de um tempo tem suas vidas mudadas, encontram paz e so depois querem que a vida nunca acabe e se arrependem de nao ter aproveitado antes , porque as pessoas nao nos ensinam isso em ?

    ResponderExcluir
  7. Mas há outras janelas, do outro lado da casa!
    Bom dia, carlos.

    ResponderExcluir