sábado, 27 de fevereiro de 2016

DE ITACOATIARA PARA O MUNDO (UMA SOLUÇÃO CABOCLA!)

Com parecer técnico do Prof. Dr. Alberto José Valério e Silva, atestando-o “in totum” (em todo) a sua viabilidade técnica, econômica e jurídica o projeto de interligação do porto no município de Itacoatiara ao município paraense de Aveiro e de lá para o mundo globalizado, é de autoria do caboclo amazonense e presidente da JUMAM- Junta de Mediação e Arbitragem do Amazonas, Jeovan Barbosa. Ao analisá-lo, o Dr. Alberto Valério diz que vislumbrou a oportunidade do empreendimento resolver a interligação da ZFM ao resto do Brasil e com o exterior. Ele se iniciaria em Manaus, percorreria a AM-O10 até Itacoatiara e de lá cruzaria o Rio Amazonas, chegaria ao município de Maués, continuaria e atingiria o município de Aveiro, no Estado do Pará, alcançando a PA-435, depois a BR-136 e demais rodovias, inclusive a BR-230, a Transamazônica e, ainda, outras estradas brasileiras. O parecista alerta para os desafios políticos e burocráticos que projeto enfrentará, mas garante que o “impossível está perto”. Destaca, ainda, que a ideia do empresário itacoatiarense Jeovam Barbosa, pode “levar o Amazonas ao lugar a que sempre lhe foi a respeito” e é a uma proposta ousada e definitiva. 

O Amazonas, com um péssimo porto para a importância de seu Distrito Industrial pujante e economicamente desenvolvido, uma Estação Rodoviária que envergonha a qualquer um que desça nela, teria no caminho livre da hidrovia uma possível alternativa de solução definitiva. O Dr, Alberto José diz que é “dado o histórico de isolamento de natureza, quer Político/Administrativo ou de outras diversas ordens”, acrescenta que na era JK – Juscelino Kubischek, o Brasil começou uma nova etapa de desenvolvimento com a industrialização dos “50 anos em 5”, conduzido  pelo Estado com vistas à expansão do mercado nacional e na eliminação de tensões localizadas. Naquela época, foram criadas as Agências de Fomento Sudene, Sudam, Sudeco e Sudesul para fomentar plamejamento e os desenvolvimentos regionais. Transcreve trecho de um discurso o hoje senador pelo Amapá e ex-presidente da República, José Sarney, afirmando que “realmente não só o nível de industrialização no centro do país estava a exigir elasticidade das áreas primário-exportadoras internas, superior à capacidade de respostas dos Estados sulinos”. Diz, ainda, que Celso Furtado, conduziu com maestria o Ministério e que em diversas oportunidades da história, como visão estratégica democrática e popular, criou vários organismos que alavancaram o Brasil, que se opôs  “a marcha para o Oeste e a criação dos territórios federais do Amapá e de Roraima”, reforçado no período autoritário de ocupação do espaço nacional, tanto no nível urbano quanto ao regional”. Vivia-se uma ampla liberdade democrática, quando as decisões públicas inspiravam-se em forças e processos reais que unia o político ao econômico.

O período autoritário não teria reforçado as linhas básicas de ocupação do espaço regional e teria abandonado tanto no nível urbano quanto no regional, programas especiais de benefícios, garante o parecer técnico do Prof. Dr. Alberto José Valério da Silva, que destaca “a visão de integração regional e expectativas de alcance nacional e internacional”. Durante o Governo José Lindoso, dissuasões foram para exportar estanho bruto pelo porto de Itacoatiara, por via fluvial. Estudos chegaram a ser realizadas sobre a viável e necessária ligação por transporte hidroviário entre as cidades de Itacoatiara ao Estado do Pará e de lá para a China, mas foi abandonada a ideia porque o Estado do Amazonas é uma ilha verde cercada de água e problemas por todos os lados. Vários Governos vieram e se foram e o empresário itacoatiarense e bacharel em Direito, Jeovan Barbosa, isoladamente e sem muito apoio, voltou a defender a ligação. Com vasto estudo técnico denominado “Ligação por estradas e Pontes de Itacoatiara, ao Aveiro no Estado do Pará”. o empresário, como um caboclo que perde a luta, mas continua na luta; o projeto. 

Era diretor de comunicação e da empresa Mineração Taboca S/A, no município de Presidente Figueiredo, na década de 80, chegou a discutir em nível de staff, a possibilidade de exportar cassiterita pelo porto de Itacoatiara, porque muitas carretas de minérios eram roubadas e não as encontravam, muito menos seus condutores. O tenente Tadeu Abraão Fernandes, Chefe da Segurança da empresa naquela época, identificou problemas logísticos e os estudos iniciados foram abortados. Naquela época, vislumbrava-se a profundidade do rio para aportar grandes navios, capazes de cruzar o mundo para levando o minério. O Governo Amazonino Mendes, anunciou a inauguração um porto para o município, que geraria, segundo o governador 5 mil empregos diretos e vários indiretos e diversos indiretos ligados à atividade portuária. Hoje, o Porto inaugurado e que seria uma promessa de desenvolvimento, pertence à empresa privada Hermasa e nele trabalham no máximo cinco pessoas diretamente. No afã de se popularizar, o governador chegou a inaugurar esse porto de exportação da empresa privada. Outros governos vieram depois, o ministro dos transportes nascido em Natal e senador pelo Amazonas, Alfredo Nascimento, liberou recursos para construir portos em vários municípios, mas esqueceu o de Manaus e o de Itacoatiara. Muitos foram concluídos às pressas e desabaram. Outros continuam resistindo. Mas o projeto de interligação idealizado e defendido pelo caboclo  e um dos primeiros empresários genuinamente amazonense a instalar uma fábrica no Distrito Industrial, a SHELTROM- Sistemas Eletrônicos e Metálicos Ltda, depois transferida para a Avenida Noel Nutels, no bairro Cidade Nova e, mais tarde, fechada por falta de aporte financeiro. Foi a receber autorização para se instalar  fora da área do Distrito Industrial de Manaus. 

Essa ideia de ligar o Amazonas ao Pará por Itacoatiara merece aplausos porque se for realizada, ligará o município de Itacoatiara, no Amazonas ao município paraense de Aveiro e, de lá, com o Brasil e mundo. O ousado e perfeito projeto, entretanto, se concretizado em seu todo, será a libertação, ligação e integração de dois Estados vizinhos que se unirão a integração Nacional. Contudo, enfrentará as barreiras burocráticas de um país excessivamente lento em tudo o que faz. Mas o caboclo do Amazonas não quer glórias e nem dividendos, só quer ver seu projeto viabilizado, porque  a BR-319, que enfrenta problemas burocráticos e jurídicos de licenciamento ambiental e seguidas decisões liminares aprovando e cassando os licenciamentos ambientais. Com isso, o projeto hidroviário, poderia ser a ligação definitiva e menos burocráticas para ligação do Amazonas ao resto do mundo, via porto de Itacoatiara porque os rios são as verdadeiras estradas da Região Norte. O projeto caboclo se somará ao sistema intermodal já existente, mas um pouco desprezado abandonado, também!

10 comentários:

  1. Sempre tem impecilhos fantasiados ... visto que atrás tem interesses (como dizia o tio Briza) econômicos e poliicos.

    ResponderExcluir
  2. Jeovam Barbosa/Itacoatiara -Am27 de fevereiro de 2016 15:14

    Gostaria de agradece-lo pela brilhante Cronica e apoio, a essa Ideia de Ligar o Amazonas ao Pará por Itacoatiara....Sua contribuição é de suma importancia ,nesta luta contra as organizações e o propio Estado que com certeza já sabe e concorda .mas fica omisso e covardimente parado......Deus esta na frente e com certeza já vi e verei este projeto implantado.......Meu muito obrigado a você amigo e Ir:. CARLOS COSTA

    ResponderExcluir
  3. Há muito tempo que já deveria ter sido tomado uma posição para solução ou mais uma opção de transporte para nosso Estado, mas o que assistimos, é a Transamazônica abandonada e teimosamente alguns caminhoneiros ariscando-se a cruzar uma estrada que custou milhões a nosso Pais e que dura mais de 40 anos, sem haver uma solução definitiva.
    Ainda somos colônias, e quem manda são os coronéis 'balseiros', só mudaram as fardas e os quartéis, mas o comando ainda são dos mesmos.
    Infelizmente essa é nossa realidade, os rios já dão sinais de esgotamentos, rasos e poluídos, não demorará muito, para virarem igarapés e consequentemente córregos, talvez estejam esperando por isso:
    Amazonas virar sertão para então se pensar em uma estrada.

    ResponderExcluir
  4. Carlos Eduardo Reichmann27 de fevereiro de 2016 16:26

    Excelente ideia! Excelente texto!

    ResponderExcluir
  5. Tudo que você falou.. Aqui na pastagens é verdade precisamos de melhorias aqui em Manaus principalmente nos Porto..vc falou uma grande verdade.

    ResponderExcluir
  6. Dante Luis Garcia Rivera/medico28 de fevereiro de 2016 12:09

    Muito bom parabéns

    ResponderExcluir

  7. Essa ideia de ligar o Amazonas ao Pará por Itacoatiara merece aplausos porque se for realizada, ligará o município de Itacoatiara, no Amazonas ao município paraense de Aveiro e, de lá, com o Brasil e mundo. O ousado e perfeito projeto, entretanto, se concretizado em seu todo, será a libertação, ligação e integração de dois Estados vizinhos que se unirão a integração Nacional. Contudo, enfrentará as barreiras burocráticas de um país excessivamente lento em tudo o que faz. Mas o caboclo do Amazonas não quer glórias e nem dividendos, só quer ver seu projeto viabilizado, porque a BR-319, que enfrenta problemas burocráticos e jurídicos de licenciamento ambiental e seguidas decisões liminares aprovando e cassando os licenciamentos ambientais. Com isso, o projeto hidroviário, poderia ser a ligação definitiva e menos burocráticas para ligação do Amazonas ao resto do mundo, via porto de Itacoatiara porque os rios são as verdadeiras estradas da Região Norte. O projeto caboclo se somará ao sistema intermodal já existente, mas um pouco desprezado abandonado, também!

    ResponderExcluir
  8. Quanto custará o projeto? De onde sairá o dinheiro? O projeto é iniciativa de quem? Quem no Brasil tem a prerrogativa/competência de iniciar tal projeto?

    ResponderExcluir
  9. ;Senhor Anônimo que deixou esse comentário: Anônimo25 de outubro de 2016 13:17
    "Quanto custará o projeto? De onde sairá o dinheiro? O projeto é iniciativa de quem? Quem no Brasil tem a prerrogativa/competência de iniciar tal projeto?"

    Todas as suas perguntas estão respondidas. Quanto ao valor, não pode ser definido porque as discussões ainda estão sendo feitas na esfera política.

    Carlos Costa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A BR-319 (que já existe!) está parada por entraves políticos, burocráticos e por interesses de gente da própria região Norte que lucra com o escoamento de produtos por modais logísticos menos atrativos para o consumidor (e mais atrativos para eles). Vocês acham realmente que uma nova rodovia sairia do papel em tão pouco tempo? Com todo respeito, o "projeto" que vocês propõem é um sonho, muito bonito, mas não passa de um sonho.

      Excluir