terça-feira, 25 de março de 2014

OUTONO....!


Como as árvores que perdem suas folhas no outono, minha árvore também está morrendo aos poucos, perdendo suas folhas, talvez para voltar mais forte como as árvores que ressurgem depois de quase parecerem mortas, mas continuarem vivas por dentro, com suas folhas verdinhas e com pássaros felizes gorjeando em seus galhos, se alimentando de seus frutos que aparecem quando também rebrotam. 


Dias sim, dias não, entre remédios que tomo, dores nas costas que sinto, sonos forçados pela medicação e crônicas que escrevo por puro prazer e as posto como se fosse uma obrigação, tudo que faço agora me diluiu um pouco a cada dia e me torna como se fosse um líquido frágil, mas intragável no paladar de algumas pessoas, e que vai escorrendo aos poucos por entre os dedos de minhas mãos. Amei demais, vivi demais e hoje me recolho ao um mundo que fiz meu: eu e meu computador, tendo ao lado os remédios sempre presentes.


Nada reclamo porque como as árvores que perdem suas folhas, sei que rebrotarei mais forte das cinzas -como a Fênix da mitologia -, porque, enquanto pareço frágil, estou enchendo os pulmões com o ar que Deus, com o qual respiro a vida, mesmo frágil e sempre com mais amor, mesmo sem mudar minhas crenças católicas. Mas sinto que não ando bem, porque dias sim e dias não, sofro com dores nas costas e pressões na cabeça, o que me preocupa. Tomo remédios, descanso e, como árvores de outono, volto sempre mais forte para perfumar de alegria as pessoas que me acompanham pelo blog, pelo facebook e que me presenteiam com belos trabalhos. Acredito que esteja vivendo a idade do CON DOR. Com dor aqui, com dor ali...! Mas ficarei bem porque Deus não abandona seus filhos; e eu, como um deles, embora amando-o de forma meio torta, sei que só serei abandonado na hora certa de acompanhá-lo em definitivo!


Minha sobrevida infectado há tanto tempo é um mistério inexplicável para a ciência, mas não para Deus. Há sete anos Deus me deu onze oportunidades para viver, me tornar mais puro, ser melhor, ouvir mais e falar menos, mas nem sempre isso é possível, nessa ordem. Horas existem que “explodo” do nada! Mas é a vida que tenho, o que fazer para mudar as coisas? – desde 2006, vivo infectado por duas bactérias hospitalares incuráveis, após onze cirurgias bem-sucedidas para tratar de em empiema cerebral. Do empiema que me levou à cirurgia cerebral, estou curado; das infecções, ainda não, mas ficarei! Isso me deixa angustiado, mas caminho feliz porque estou fazendo o que gosto e Deus ainda guia meus dedos para escrever ou quando não, me guia segurando minha mão me transportando nos momentos de dificuldades. Não posso reclamar: Deus sofreu mais do que eu! Sofro pouco!


Entendo e aceito que as folhas velhas de minha árvore caiam ao chão com o sopro leve do vento porque precisarei de adubo para renascer como todas as árvores necessitam que suas folhas se projetem rumo ao chão para se decompor, criar adubos para, mais tarde, com o novo período da chuva, as folhas mortas caídas ao chão e transformadas em adubos, brotarem novinhas e mais verdes. Esse, porém, não será meu caso porque não sendo eu literalmente uma árvore, só as raízes culturais que deixarei servirão para a eternidade e precisarão ser entendidas e interpretadas em meus momentos de solidão, sofrimento, revolta social e de filosofia de vida para que outras pessoas não cometam os erros que cometi, não sofram o que vivo sofrendo, mas amem à vida, como eu amo a minha e a vivam como se sempre fosse o último segundo que todos terão.



De uma árvore quase morta poderá ressurgir uma outra viçosa e verdinha, mas quando a última folha cair de minha árvore não poderei nascer como uma nova árvore, nem que seja plantada pelas mãos de Deus, que cuida de tudo e de todos na terra, na forma que cada um o conceba ou mesmo aos não o concebam por pura ignorância filosófica-intelectual-conceitual, do que por convicção que Deus não exista mesmo!

32 comentários:

  1. Olá, Carlos. Uma crônica verdadeira, visceral, pungente. Espero sinceramente que você fique bom, e fique bem.

    ResponderExcluir
  2. É uma crônica carregada de nostalgia mas também de agradecimento a vida, agradecimento a Deus pelo dom de escrever e cultivar amigos! Que Deus dê vc. coragem e sabedoria para viver essas dificuldades. Isso vc tem mas que seja para sempre, até que Deus queira!

    ResponderExcluir
  3. Você me levou às la´grimas, amigo... Isso me lembra um poema que escrevi, se vc me permite, vou postá-lo aqui. De coração pra coração...

    ResponderExcluir
  4. Crônica do amor eterno
    Onde existe um caminho, há um destino... Quando se dá o primeiro passo, não se pode voltar atrás.
    Que o meu caminho seja trilhado sobre folhas de outono... Sobre as folhas que caem das árvores. Que seja nessa estação, onde eu possa sentir a brisa, o refrigério de uma tarde fresca. Ao cair da tarde, sobre folhas mortas.
    A beleza não está no destino, está no caminho...
    Enxergar cada detalhe, e o principal, que não aparece aos olhos. Perceber as mudanças...
    Todo caminho é um sinal de ansiedade... preparar-se para a mudança...
    Perceber que cada folha que cai ao chão já está morta.
    E onde nascerão as outras folhas?
    Na mesma árvore...
    E que essa mesma árvore renove-se, prepare-se para o ciclo da vida que existe em cada ser... Que esse ser seja abrigo, seja o ser que abriga a vida. Os seres em metamorfose.
    Será difícil essa mudança?
    Aceito a mudança, a transição para a beleza, para o essencial...
    As tardes de outono têm sua beleza, assim como as tardes quentes de verão, onde as borboletas saem dos casulos, para uma nova condição... E assim se faz o ciclo da vida.
    É voar, se medo de ser feliz...

    ResponderExcluir
  5. Salvando VIDAS, Crianças As Sementes Preciosas22 de julho de 2014 17:04

    Que força e fé interior imensas que você tem, é um exemplo para muitos!

    ResponderExcluir
  6. Primeiramente, muito obrigada pelo envio desta bela crônica. Estimo, sinceramente, que se recupere o mais rápido possível, para continuar nos encantando com esta maneira deliciosa de escrever. O sol sempre brilha, mesmo qdo está encoberto pelas nuvens.

    ResponderExcluir
  7. Li de um folego.. Bela crônica para reflexão...!!!

    ResponderExcluir
  8. Luiz Eduardo Oliveira - advogado26 de dezembro de 2014 17:11

    Importante e alentador e que serve, portanto, de bálsamo para quem enfrenta as vicissitudes da vida, a sua assertiva, de que Deus sofreu muito mais do que nós sofremos pela tribulações pelas quais passamos. Importante, porque devemos sempre lembrar disso nos momentos difíceis da nossa vida. Bela crônica. Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Maria Auxiliadora Costa26 de dezembro de 2014 17:13

    Meu querido sobrinho eu te admiro muito.Amo ler teus artigos,gosto disso,gosto do que você escreve.Espero poder encontrar com você para abraça-lo e dizer pessoalmente que eu te amo

    ResponderExcluir
  10. Dalva Agne Lynch (Escritora)26 de dezembro de 2014 17:14

    Que LINDO! Obrigada por essa crônica, amigo!
    bjs

    ResponderExcluir
  11. Conselho Regional de Serviço Social do Amazonas e Roraima Amei a crônica e continuo admirando essa capacidade de escrever e essa vontade de viver apesar de todo esse sofrimento, Com essa facilidade de escrever você torna seus dias mais produtivos e bem vividos. Sabe transformar as adversidades em oportunidade para tirar proveito da sua inteligência e tocar nos sentimentos dos outros. Abraços. Tomázia Tavares

    ResponderExcluir
  12. "Muito linda a tua cronica... "OUTONO"!"

    ResponderExcluir
  13. Muito Lindo amigo e Poeta Carlos Costa Parabéns querido!

    ResponderExcluir
  14. Obrigado amigo Carlos Costa boa noite,

    ResponderExcluir
  15. Carlos, desejo que sua saúde restabeleça logo e que seja como suas crônicas - cada vez melhores. Tudo vai dar certo, doenças que não se sabem como vêm é sinal de que da mesmo forma, sem se saber, desaparecerão; e com o poder de Deus você estará totalmente curado.- maior é o poder de Deus e os caminhos que Ele coloca à nossa frente para alcançarmos as saídas para nossas dificuldades espirituais e físicas. Fé e força - além da que você já demonstra a todos nós, seus amigos e leitores. Abraços.

    ResponderExcluir
  16. Max Carphentier/poeta26 de dezembro de 2014 17:27

    Max Carphentier - Escritor /Ex-presidente da Academia Amazonense de Letras:
    Está cheio de sabedoria o que escreves, Carlos, daquela sabedoria iluminada pelo sofrimento. Estás em minhas orações. Deus te guarde ! Abraço

    ResponderExcluir
  17. Carlos, quanto tempo! Mas nada como um dia após o outros para redescobertas. Estou bem. Tenho uma empresa de comunicação e achei seus textos lindos. Felicidades amigo! Um 2015 de grandes novidades!

    ResponderExcluir
  18. Max Carphentier (Escritor)7 de janeiro de 2015 08:10



    Excelente texto, Carlos. Ensina a viver. Abraço cordial de muita inspiração em 2015!

    ResponderExcluir
  19. Que lindo. Só agora terminei de ler. Amigo a árvore que você plantou tem raízes profundas, adubada pelo amor, pela crença, pela paciência e pela perseverança. Por isso quantas folhas cairão, novas brotarão até o dia que o adubo acabar.

    ResponderExcluir
  20. Reflexão profunda. A vida é cheia de mistérios, um deles é a data em que partiremos. Até lá, temos que fazer o que fazemos de melhor, matar um leão a cada dia e tentar manter a fé no que acreditamos ser Deus.

    ResponderExcluir
  21. carlos vc nao imagina como .me faz bem ler tudo q vc escreve principalmente com relacao a sua vida pessoal sua saude a vontade de viver os obstaculos da vida Carlos minha vida e muito dificil sofro muito mas se e da vontade de Deus tudo bem Bjs

    ResponderExcluir
  22. M Concita Webber/Alemanha19 de janeiro de 2015 14:21

    Gostei muito de seu texto. Assim é a vida. Este é o preço que pagamos por ter vivido muito. É um preço que vale a pena. Devemos todos os dias agradecer a Deus pelo privilégio de estar vido e habitar em um planeta maravilhoso.

    ResponderExcluir
  23. M Concita Webber/ Escritora/Alemanha19 de janeiro de 2015 14:23

    Gostei muito de seu texto. Assim é a vida. Este é o preço que pagamos por ter vivido muito. É um preço que vale a pena. Devemos todos os dias agradecer a Deus pelo privilégio de estar vido e habitar em um planeta maravilhoso.

    ResponderExcluir
  24. Marilene A. Dantas1 de setembro de 2016 16:31

    Carlos Costa emocionei-me de mais com sua crônica
    A medida que eu lia meus olhos se enchiam de lágrimas e minha visão ficava turva.
    As lagrimas rolavam no meu rosto incontrolável.
    Escrevo e elas continuam à rolar.
    Fui enxugar o rosto para continuar escrevendo.
    Sua crônica me fez refletir q já fiquei cara a cara com a morte.
    Sobre as folhas é verdade amigo
    Sobre o CON DOR.Todos nós passaremos por essa fase.
    Mas existe algo em comum entre vc e eu.
    SOMOS UM MILAGRE DE DEUS.
    BOA NOITE .

    ResponderExcluir
  25. Cristiane Nazareh/ Assistente Social1 de setembro de 2016 16:35

    Realmente, ao ler essa crônica do sr. Carlos, enchi os olhos de lágrimas, conforme eu ia lendo parecia que eu estava vendo.
    Pelo pouco que conversamos em sua vinda a itacoatiara, realmente meu querido Carlos, você é um milagre de Deus.

    ResponderExcluir
  26. Sabe Carlos, você transmite suas experiências com um toque diferenciado....muito boa mesmo.
    Boa tarde.

    ResponderExcluir
  27. Verdade!
    Vc nós faz refletir sobre nossas vidas. Reclamamos tanto por pouca coisa e vc .com todo esse problema de saúde agradece sempre e é feliz,bato palmas pra vc e tiro o chapéu.
    Vc é uma lição de vida parabéns

    ResponderExcluir
  28. Forte isto hem Carlão!!!
    É a realidade isto, mas nao quero morrer nao.
    Vou ver Jesus voltando em vida

    ResponderExcluir
  29. Carlos,você é um ser sábio,brilhante e cheio de gratidão e fé.Belo exemplo de vida e feliz de quem o conhece,como exemplo.Continue sempre caminhando com Aquele Amigo que o levará sempre pelo bom caminho e nunca o abandonará.Aquele abraço de além-MAR.

    ResponderExcluir
  30. Linda crónica, amigo

    ResponderExcluir
  31. Se transforma em vidas , e não morre

    ResponderExcluir