domingo, 23 de novembro de 2014

UM PORRE DE ÁGUA E REMÉDIOS!



Para Antônio Paiva/Cibele Ventura, (dia 21.11.2014)


Tomei um porre de água, remédios e sai cambaleando de embriaguez e felicidade por rever amigos do passado.

Cambaleante e leve, deixei a torre Santorini, na terceira etapa do Condomínio Mundi,  caminhei em êxtase pela alameda florida, com luzes brancas florescentes iluminando meus passos trôpegos, ouvindo colchoar dos sapos, canto dos periquitos e o barulho da água de uma fonte de água existente no Centro do Condomínio e sentindo o cheiro e apreciando um resto de floresta primária que permaneceu na divisão das etapas R-1 e R-2 da R-3, ligadas por uma ponte.

Caminhava lento, com cuidado. Estava deixando o casamento do Síndico do Mundi, Antônio Carlos Castro Paiva e sua Cibele Maria Belloni Ventura, filha do coronel PM da reserva Fausto Seffair Ventura, que exerceu vários cargos e funções no Amazonas, mas nunca chegou a assumir o Comando  Geral da PM, talvez porque não quisesse, mas não sei. Lembrou-me das vezes em que fui detido em manifestações e ele mandava me soltar porque “ele é meu amigo”. Usava cabelo e barbas longas e parecia mais um hippie do que um jornalista! Dos fatos narrados pelo coronel  havia esquecido de muitos que foram deletadas da memória depois das onze cirurgias a que fui submetido no cérebro desde 2006. Mas, estou escrevendo sobre o casamento do Síndico e não sobre o coronel, mas revê-lo depois de 9 anos foi muito agradável!  

Prossegui caminhando lentamente rumo ao meu apartamento na torre Nassau, na etapa  R-1.

- Conheço o Carlos Costa muito antes que você o conhecesse, Antônio, disse o coronel e passou a falar de minhas qualidades de homem chato, sincero, brigão pelo bem de todos e solidário ao mesmo tempo. Fiquei sem argumentos porque vivi a vida, aproveitei a juventude e comecei a ser jornalista muito cedo, aos 19 anos, já trabalhando credenciado junto a 5a Seção da Polícia Militar, onde conheci outro credenciado do Jornal do Comércio, Oscar Carneiro, de quem fiquei amigo e conversávamos muito. Depois dos elogios, me abraçou. “Ele era muito brigão. É da época do Fábio Lucena. Vivíamos em lados opostos, mas somos amigos”. Puxou uma cadeira e sentei ao seu lado. Ao meu lado também estava o blogueiro de Manacapuru, Bruno Sarmento Farias formado em ciências contábeis pelo Centro Universitário Leonardo Da Vinci (UNIASSELVI) e alimentador do “Blog do Bruno Sarmento”, que me perguntou se eu já conhecia o município. Disse que sim, mas que há 9 anos não retornava ao local onde lancei na Casa da Cultura, meu primeiro livro de poesias (DES)Construção, no início da década de 80. Conheci e fiz amizade com o vereador eleito mais novo do Brasil, Pedrinho Palmeiras, aos 19 anos. Depois virou empresário de sucesso no município, montou rádio, posto de gasolina e perdi o contato com meu amigo que já faleceu muito novo! Acho que tinha minha idade ou era mais novo porque tinha também, na época do lançamento de meu trabalho literário. 

O contabilista convidou-me para retornar e garantiu que o coronel Fausto viria pegar-me em casa. Não dirijo mais, respeitando ordens médicas. Perdi a visão periférica. Sugeri ao convidante que desenvolvesse uma programação cultural que voltaria. Garantiu-me que usaria seu programa de rádio e faria a programação. O coronel Fausto, apresentou-me sua nova esposa e lhe contei que também havia casado pela segunda vez, também com a filha do deputado estadual e advogado Francisco Guedes de Queiroz, de quem era amigo e admirador, a também advogada Yara Queiroz. Ela não compareceu ao porque fora a uma reunião de trabalho com um deputado da ALE, de quem ela é assessora jurídica.

Estou de novo escrevendo sobre o que não interessa a ninguém, mas não posso fugir da emoção que senti por ter sido o único dos membros do Conselho do Condomínio Mundi  a ser convidado. Logo eu, o mais chato de todos! Os convidados, eram só amigos íntimos da família dos noivos,                                                                                                                                                                                                                                                                                                                       Era o único “estranho no ninho”, mas não me senti estranho porque reencontrei pessoas que eu nem sabia que me conheciam de nome e passaram a conhecer-me pessoalmente. Na hora que o celebrante Antônio Carlos Marinho Bezerra Filho, perguntou se o noivo advogado Antônio Carlos Castro Paiva aceitava Cibele Maria Belloni Ventura como esposa, respondeu um “SIM” de forma convicta e alta. Houve risos e palmas e notei que estava nervoso e tenso, embora já vivessem juntos há mais de 4 anos. Na mesa em que estava, alguém comentou: “Será que a noiva desistiu do casamento?”. 

Não, só havia atrasado um pouco para dar mais charme e aumentar tensão do noivo. “A noiva chegou”, anunciou alguém à mesa e o pai coronel Fausto foi buscá-la e entrou de braços dados com ela, entregando-a ao noivo. Durante o casamento, garçons serviam gostosos salgadinhos e colocavam água em minha taça. Sempre me perguntavam se queria cerveja, champanhe e respondia que não! Depois do casamento, começaram as fotos e fui convidado a participar em uma delas. “Vai queimar o seu filme”, brinquei com o noivo. Na foto, sai sério porque perdi a capacidade de sorrir e não a recuperei nunca mais, porque tive comprometido meu lóbulo do humor. Pareço sempre estar com raiva, mas não estou; fiquei assim! Mas estou vivo!

No livro O HOMEM DA ROSA, escrevi que  “casamento é um contrato comercial infinito, regido pelo interesse do casal na busca de perpetuar a  sua espécie”. Reafirmo o que escrevi em 1989 e acrescento, que viver a dois não é fácil, mas é possível. Na crônica VIVER A DOIS É UM CARRO EM MOVIMENTO, afirmei que a vida a dois  é como se fosse  um carro em movimento andando por uma autoestrada: precisa ter cuidado com a velocidade, a pista, a sinalização, os sinais, o sol, a chuva porque o carro pode derrapar e ficar imprestável, virando sucata e jogado em algum lixeiro como carcaça do que fora um dia, um casamento feliz! Todo casamento sofre desgaste pelo tempo, feridas que nem sempre cicatrizam, problemas de toda ordem e precisa sempre de um tempero novo para não deixar cair em rotina. A  mesmice, acaba com qualquer relação a dois! Sei disso, porque estou também casado pela segunda vez e sou feliz, como os rios Negros e Solimões, que quase em frente a Manaus, formam o “encontro das águas”, que brigam sempre para evitar que as barrentas, do Solimões, resultantes de águas desbarrancadas pela força da correnteza, não invada as águas calmas e sem insetos do Rio Negro, resultado da decomposição de folhas, não invada a outra, mas depois seguem tranquilos de mãos dadas e despejam todas as suas amarguras nas águas do mar. Lembrando do casamento, conclui que pelo desgaste natural da convivência a dois, muitas vezes a relação se torna como o canto dos periquitos que eu ouvia: o casal fala ao mesmo tempo e precisa de um maestro para colocá-lo em ordem. Um deve ceder para que o outro possa ser ouvido! Os dois falando e gritando como os periquitos barulhentos e ensurdecedores, não se entenderão. 

Assim é o casamento! Assim é viver a dois: como encontro de duas águas com cores diferentes, pesos diferentes, sabores diferentes, mas que caminham cumprindo cada uma delas sua missão!

4 comentários:

  1. Ola,Carlos!gostei muito dessa cronica e ao mesmo tempo achei engraçada,parece que ja li antes e concordo, com teu ponto de vista,so que quando leio,entro nesse,mesmo mundo e como niguem se interessa,aqui é uma que nao quer perder de vista essa pessoa maravilhosa e muito inteligente,que conhecir atravez da internet.
    Maria Hirschi
    Suiça

    ResponderExcluir
  2. é sempre notei isso, e voce deve ser mais novo do que eu,as tuas verdadeiras cronicas,sao bem claras.Voce Carlos ö do bem,no fundo eu tambem,nunca pensei em fazer mal a ninguem,mas meus colegas de classe,nao pensavam igual.Imagina voce esta em um colegio que teus pais pagam e muito um horror e voce nao aprende nada,porque o professor repete sempre a mesma materia,e a maioria concorda.Sei fui rebeide mais nunca violenta ate hoje "as vezes no olhar" ou nas acoes.Como usava calças Jenis,rasgada no centro de Manaus,ate ser deportada para a Neutra e realmente bela Suiça,aqui emcontrei,jovens dependentes no pavilhao do centro de zurique,encontrei uma realidade que meus pais,nao sabiam que estavam me colocando.So que meus pais tiveram,sorte comigo eu entrava e saia desse local,que ate entao seria o cartao postal da Suiça,um horror para mim,nessa,era ou epoca,nos dormiamos com as janelas abertas no centro de Manaus.Escrevia quase todos os dias para minha mae,cartas registradas que ela minha mae nunca recebeu,nosso sistema era absoluto,fui em manaus c aqueles comprovantes que tinha aqui da Suiça,no correio em Manaus,reclamar,mais nao tive a resposta a altura.Nas minhas cartas a minha,mae escrevia o que via dia a dia aqui na Suiça,como os jovens viviam,era um diario,meu,mais nunca pedir o retorno.No fundo naquela epoca pensava meus pais recebem,minhas cartas,mas nao respondem,eu ja entendia nosso sistema,nao pelas novelas mais sim o que vivo e vejo,se te falo agora que nao tem muita diferença.Posso te esplicar que o pais do primeiro mudo,tem bem mais problema do que o terceiro mundo.Eu era uma india revoltada,com a idade sou uma india conformada.Eu choro muito,mais por mais de nao ter minha identidade.
    legal carlos,sao suas,cronicas,verdadeiras e que me faz contar a minha historia,que niguem se interessa,na net.
    Maria Hischi
    Swiss

    ResponderExcluir

  3. Linda e verdadeira por demais,esta sua cronica.Aquele abraço desde Portugal

    ResponderExcluir
  4. Amarildo Fernandes Paticce/MG12 de dezembro de 2014 14:14

    Parabéns Carlos!

    Você é um “chato” de grande valor, rsrsrs.

    Um abraço,

    ResponderExcluir