segunda-feira, 29 de setembro de 2014

MAIS DÚVIDAS QUE CERTEZAS NA HORA DE VOTAR!


Mais dúvidas do que certeza me acompanharão rumo às urnas, para ajudar a eleger a pessoa que ocupará o cargo máximo da República do Brasil, o de presidente! 

Dúvidas porque a disputa presidencial se tornou um ringue de acusações, com poucas ideias e propostas para dirigir o país. Dúvidas porque não é assim que a democracia andará rumo a um desenvolvimento. Dúvidas porque não é acusando, só acusando e sem nada propor, que se vai tirar o Brasil do buraco econômico em que se encontra. Dúvidas porque as promessas feitas agora já foram feitas antes e algumas foram cumpridas e outras não!

Se de um lado, em termos sociais, o Brasil cresceu, se desenvolveu, investiu na criação de uma nova classe social, a D, e fazê-la ingressar no mercado de consumo, do outro lado outra classe econômica perdeu e ficaou achatada, desprovida de bens, recursos e certezas. Da classe média foram tirados todos os recursos para investimentos e o surgimento da classe D porque economicamente  ninguém elevava uma classe sem desapropriar uma outra, seja por qualquer meio. No caso do Brasil, embora o Governo não tenha elevada impostos, ele também não reajustou nada na tabela do Imposto de Renda, nem pela inflação do ano. A classe média perdeu e cada vez mais ficou achatada pelo crescimento da classe de trabalhadores. 

Se esse era o propósito do Governo, ele alcançou. Mas precisa seguir outros caminhos agora, crescendo em outros campos e juntando economia, ecologia, saneamento básico e unindo o desenvolvimento sustentável ao social. Enfim, estarei com mais incertezas ao depositar meu voto em quem comandará o Brasil nos próximos quatro ou cinco anos, do que certezas Mas definitivamente, sou contra a reeleição porque o país fica sempre estagnado dois anos antes do processo eleitoral e aparecem  denúncias que deveriam surgir muito antes para serem apuradas. 

Estou com a firme tendência de votar pela memória do jornalista Paulo Frances, que faleceu de desgosto e arrasado, massacrado pelo poderio de uma estatal do petróleo do Brasil porque ele tivera a coragem de denunciar o que estava acontecendo na cúpula da empresa e recebeu uma condenação de 100 milhões de dólares. Como não teve condição de honrar esse pagamento porque jornalista não ganha muito, faleceu precocemente no auge da apresentação do seu programa “Manhattan Connection”, sendo uma surpresa sua morte para muitos amigos seus. Eu não tive o prazer de conhecê-lo e nem sabia disso, mas fiquei sabendo lendo uma excelente crônica de Carlos Heitor Cony relatando esse fato. 

Cada vez mais próximo se torna o dia 5 de outubro e mais difícil fica tomar uma decisão consciente, racional, responsável, isenta de paixões, apartidária, lógica, crítica e olhando para o Brasil que deverá seguir em frente, avançando cada vez mais e seguindo para outros lados. Muitas promessas, muitas mentiras, muitas meias verdades e, principalmente, repetição de promessas já feitas e não cumpridas, deixam o eleitor confuso e, nessa confusão, ou se entra de cabeça no que já existe ou se busca novos caminhos para continuar mantendo o que jã foi conquistado pelos movimentos sociais organizados, aceitando tudo o que ainda não foi feito e se caminha para outros e novos caminhos, mas tudo pode ser uma aventura porque certeza de alguma coisa só se poderá ter depois de mais quatro anos de Governo. Confesso que com esse terrível clima de acusações de lado a lado, fica cada vez mais difícil uma decisão consciente e responsável. Na esfera estadual, tenho definidos todos meus candidatos!

De um lado, é a repetição de promessas feitas e não cumpridas integralmente. De outro, uma candidata oferecendo governo diferente, com um novo jeito de governar. No meio, mineiramente, outro candidato que tira proveito da dúvida, mas não divulga como pretende cumprir suas promessas. Não sei em quem votar, mas me alegra a ideia de não ter mais reeleição, defendida por uma candidata porque o Brasil para, não anda, reajuste de preços não é concedido e, depois, explode uma bomba e os cacos do que seria para ser cumprido antes das eleições, são juntados por todos os brasileiros honestos, que pagam seus impostos, cumprem seus deveres e estão cheios de ver acusações que sempre surgem em épocas eleitores e, ao final delas, todos as esquecem deixando claro que tudo fora fruto de delírios de candidatos que desejavam chegar ao poder a qualquer preço.

O que não dá mais é para aceitar que em novo mandato, o processo de fiscalização das roubalheiras no Brasil serão mais intensificadas porque o que mais sobram são órgãos para bisbilhotar a vida dos honestos homens que trabalham, pagam seus impostos e ainda são importunados por questões de centavos que se transformam em vorazes multas,  o que não ocorre com os funcionários públicos desonestos que, após desviarem dos cofres públicos, depositam tudo no exterior. 

Dizer que a fiscalização será intensificada para coibir essa prática prejudicial ao Brasil é o mesmo que dizer que um picolé exposto ao sol não derreterá, mesmo a 40 graus de calor à sombra! 

Isso não dá para aguentar mais!

7 comentários:

  1. MANDE POR MENSAGEM EM QUEM VOCÊ VAI VOTAR, POR FAVOR, AMIGO IRMÃO Carlos Costa...

    ResponderExcluir

  2. Votar é como se casar. Ë melhor se arrepender 1 dia antes e voltar atrás do que ter mais quatro anos para se arrepender. Há um mes atrás eu pensei em votar na Dilma , mas eu tenho 65 anos e nunca em nenhum governo anterior eu vi tantos Zumbis , jovens que perambulam pelas ruas pedindo 1 real, 50 centavos e nunca vi tantos loucos soltos pelas ruas depois que muitos hospitais psiquiátricos fecharam. E cai em mim que a pior crise que o Brasil vive é a crise moral. Depois resolvi votar na Marina mas eu também acho temerário a Independência do Bco Central. E agora resolvi que vou votar no Aécio e não estou nem aí com a polaridade, acho que ele é o mais competente e coerente. Mas cada um é cada um.

    ResponderExcluir
  3. Simplesmente uma vergonha, é o que estamos assistindo nos debates, nehuma ética, nenhuma proposta consistente de governo, só generalidades que conhecemos bem , enfim é o triste final de uma democracia já quem sabe quase moribunda....

    ResponderExcluir
  4. Oi Carlos, boa noite.

    Sim, estamos bem!

    Parabéns por mais um texto político preciso.

    Ando descrente com nossa política, já fui mais esperançoso.

    ResponderExcluir
  5. Excelente! cronica Carlos.Parabens!
    Nunca ficou tao facil, votar a nivel intelectual.Nossos presidencias,discutindo questoes "religiosas".E quem vai tirar o Brasil do abismo?é claro Culpa das Estresas.

    Maria Hirschi
    Swiss

    ResponderExcluir
  6. José Coelho Maciel1 de outubro de 2014 13:56

    Uma análise feita por quem viveu sob o jugo do Sistema, sufocado aqui e acolá, mas lutando para colocar a cabeça de fora e respirar. Uma reflexão de quem assiste diariamente (não todos mas alguns) dos mais importantes canais de tv do país, que falam não só de violência mas também de economia e até mesmo de entretenimento e esporte. Na minha humilde e pobre imaginação de meus 69 anos anos que completo amanhã, com vida e saúde, graças a Deus (tudo é uma questão de Fé, e fé porque no Brasil não se faz Política com "P" maiúsculo), econômica, financeira e social, não corresponde aos meus anseios de brasileiro e, também, acredito sinceramente nisso, às aspirações de milhares de compatriotas que vivem à espera de um milagre, que não chega. Tenho assistido os debates repetitivos e de ideias pífias, ficando naquela dos conhecidos jargões do já fiz e do vou fazer, que não é um debate de ideias como esperávamos dos candidatos; mas sei porque fazem isso, porque sabem que a grande maioria dos eleitores não iriam entender um debate de alto nível, e, pensando bem, senão a maioria não está preparada para esse tipo de debate; por isso a repetição do que se fazia a mais de século de manipulação com afirmações que calam no entendimento do povo, que se conforma com esse tipo de informação passada pelos candidatos, resultando que mesmo aqueles que estão há muito tempo no poder, exercendo cargos executivos (presidente, governador e prefeito), não tendo cumprido nem um terço do que prometeram em eleição anterior, continuem repetindo as mesmas promessas reiteradamente... e o eleitor, continua sem perceber e, assim, vota nesse candidato. E assim, vivendo praticamente como vivíamos a cem anos atrás, o povo se emociona com as práticas do passado, e os candidatos, que se tornam vitalícios em seus cargos mesmo eletivos por décadas, voltam tranquilamente ao poder, por falta de discernimento do eleitor comum que pensa com o coração e não com a razão, dando oportunidade para o continuísmo de grupo político, num troca-troca de posição sem precedente na história de outros países... Veja bem, no plano nacional, se a Dilma que demonstrou um desempenho fraco de gestão pública, levando o país à quase paralisação da economia e enfraquecimento das instituições democráticas, mas com o controle dos poderes por conta de cooptação, se vencer as eleições já no primeiro turno, o próximo presidente, depois de seu mandato de mais quatro anos, será inquestionavelmente a volta de Lula e a consolidação de uma ideologia que combina restrição democrática de direitos fundamentais com abertura para práticas espúrias de liberdades que estão nestes doze anos tomando conta do cenário político e social brasileiro... Na minha opinião alguém está atrapalhando alguém e talvez não haja nem segundo turno! A Dilma ganhara no primeiro. O meu sonho era que houvesse alternância de poder, mas o eleitor parece que não entende de jogo a não ser de futebol, e mal, porque logo se apaixona, e de carnaval ou de boi bumbá, porque entra ano e sai ano, ele continua se divertindo sem se preocupar nem um pouquinho com Política, com os Direitos Civis, com o Desenvolvimento do País e da Nação! Se houver segundo turno, e neste caso for a Marina a disputar com a Dilma, seria, neste momento, necessário que aqueles que querem MUDANÇA no comando do País, que a oposição se unisse em torno de Marina Silva, a melhor candidata (com possibilidade) a presidente da República. Porém, não duvido muito, se o Aécio apoiar Dilma. E quanto aos Evangélicos da corrente da Prosperidade, que já estão apoiando Dilma, deixam-me de orelha em pé diante de atitude que busca, como os petistas de Dilma e Lula,






    Devido à lentidão dos julgamentos, excesso de prazos e o excesso de recursos no poder judiciário brasileiro, alguns meramente procrastinatórios, a democracia representativa do Estado Social está em perigo! Mas isso poderá mudar, se mudar a mentalidade da sociedade com relação ao seu poder e consciência ao votar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Carlos, não se pode negar os avanços econômicos e sociais dos governos Lula e Dilma. A lista é extensa. A crise mundial, que nada mais é do que uma crise do capitalismo, obviamente nos atingiu. Mas não fomos afetados ao ponto do país quebrar, como foi por três vezes no governo neoliberal de FHC. Vivemos um momento de quase pleno emprego. O que não é pouca coisa, para citar um. Agora, o capitalismo é um modelo perverso, vivemos sob a espada de Dêmocles. Não tenho dúvidas de que estamos no caminho correto, com Dilma. Honestamente penso que Marina ou Aécio, seriam um retrocesso. Obrigado pela presença em meu blog. Fraternalmente.

      Excluir