segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

MORRO DA VIDA E DE MORTE!


À Amarildo Fernandes Paticce

Ah, Morro! Morrerei não reconhecendo o local em que nasci! 
Tiram-lhe a Liberdade de correr pelas ruas de barro 
dos carros compactadores de latas de leite, 
imaginando-os tratores do Der-Am de
Francisco Januário Calado!
Ah, Morro! Morrerei não reconhecendo o local em que nasci!
(o que fizeram com você?)
O Beco São Benedito, que me viu nascer, agora é “Beco dos Pretos”
Ah, os Mercadinhos Três Irmãos, que ia a pé e do Leão, com
(triciclo com um leão pintado à porta, parado:
Como um carro de três rodas podia
podia trafegar em pistas de barro!?)
Ah, Morro da minha saudade, 
da Igreja Coração Imaculado de Maria que frequentava,
campo do Bariri,
da dona Rosa,
do Olaria e Libermorro se duelando ferozmente no campo, 
do Batuque da Mãe Zulmira,  
(me assustava sua crença e as estátuas imensas)
da Escola Adalberto Vale que frequentei
das professoras  – Aidé, Rosa Eduarci Marinho, 
Francisca, a “Chiquinha”, Alda Filgueiras
me socorrendo quando quebrei a testa
do igarapé do 40,
das catraias coloridas e dos nados que dei! 
(águas límpidas, lindas e areia branca ao fundo 
 irreconhecível, agora. O progresso chegou! Construiu e destruiu
cheia de concreto coberto por uma ponte!
Ah, Morro!
Da minha Liberdade que me proporcionava, 
talvez seja minha prisão,
no Cemitério Santa Helena!
Ah, Morro do bloco à da Escola de Samba, do Almeron, 
que lhe deu um hino!
Do Ivan de Oliveira, 
Bosco Saraiva,
do Reino do Manhã,
do Nélio, Jairo,  Nirvana,  “Chico Batera”
Serei esquecido!
(os livros e meu amor pelo Morro da Liberdade; não!)

5 comentários:

  1. Abraços querido, bela expressão.

    ResponderExcluir
  2. Linda evocação.O lugar onde nascemos é inesquecível!...Abraços de além-mar

    ResponderExcluir
  3. Socorro Lima Dantas9 de dezembro de 2014 05:30

    Maravilhoso texto poeta Carlos Costa.
    Eu lhe aplaudo de pé !
    Receba o meu forte abraço literário, com admiração,
    Socorro

    ResponderExcluir
  4. Amarildo Fernandes Paticce/MG12 de dezembro de 2014 13:21

    Oi Carlos, grande poeta da memória de Manaus.

    Ficamos lisonjeados com sua poética dedicatória.

    Um abraço,

    ResponderExcluir