domingo, 6 de setembro de 2015

MEUS PÁSSAROS...!




Os pássaros que me faziam sorrir no passado, 
agora me fazem sofrer, no presente!

(não são “Os pássaros”, do genial cineastra Alfred Hitchock!
são apenas os meus, não os dele!)

Na minha imaginação,
Não existem mais pássaros.
Morreram ou estão morrendo aos poucos, todos eles!
(Ninhos erguidos, destruídos, desfeitos
esquecidos e abandonados!)

Resistirei, mesmo que biquem minha lua, 
roubem minhas estrelas e arranquem minha pela.
Sangrando, não conseguirão me destruir, 
(frágil ficarei; morto, não!)
No máximo, me deixarão com o coração sangrando,
Continuarei respirando e resistindo, mesmo me sentindo só!

8 comentários:

  1. Que lindoo ameii

    ResponderExcluir
  2. Obrigado amigo Carlos seja bem vindo!!!!

    ResponderExcluir
  3. Belo e emblemático poema. Parabéns

    ResponderExcluir
  4. Olá amigo poeta Carlos, parabéns, pelo belo poema, um forte abraço e Deus esteja conosco.

    ResponderExcluir
  5. Francisco Vasconcelos29 de setembro de 2015 12:10

    Valeu, companheiro. E por falar em pássaros, razão do belo poema que veio anexo à tua mensagem, alegra-me registrar que um belo tucano (autêntico), ousou pousar por alguns segundos perto da janela de meu quarto. Sim, amigo. Aqui em Brasília, onde os políticos proliferam.Ainda bem eu vi sua bela plumagem. Era, realmente, um tucano verdadeiro, daqueles que nos primórdios de Brasília, aos bandos, invadiam o cerrado. Abraços, amigo. Vasconcelos.

    ResponderExcluir