segunda-feira, 14 de setembro de 2015

POEMA DO MEU DESESPERO


Deitado com a solidão
Acordo com a ilusão de felicidade em minha cama;!
(pensei que me acompanhasse e fosse verdadeira
e era só uma miragem
que meus olhos quase cegos 
não me permitiram que enxergasse!)
Estou morrendo aos poucos em vida!
Meu trabalho resistirá e viverá na história!

II

Dormo com a solidão em minha cama, 
Acordo com a ilusão que carrego no peito (felicidade)
me chamando para tomar café, sozinho

III

Passará!
É só a turbulência em um voo de 18 anos.
O tempo cicatrizará e não deixará feridas!
Mas dói, machuca: o silêncio é pior do que um tapa!

9 comentários:

  1. Muito boa........JB

    ResponderExcluir
  2. Ida Márcia Benayon14 de setembro de 2015 17:55

    Poema muito triste de quem está em decadência! Não gosto de pessimismo! !sou positivista e se estivesse com a alma comprometida e só eu diria! Amanhã será outro dia e eu repensarei minhas atitudes pra aumentAr minha autoestima! Desculpe a sinceridade , esse é meu jeito de ser!

    ResponderExcluir
  3. Ótimo poema meu amigo!

    ResponderExcluir
  4. José Coelho Maciel15 de setembro de 2015 17:06

    Bom, muito bom meu amigo Carlos Costa. A gente escreve principalmente quando sente necessidade, e neste momento você está sentindo... Que se faça o poema ou a crônica, ou quem sabe surja um conto maravilhoso! Abraço. jm

    ResponderExcluir
  5. muito lindo e triste este lamento de esperança que ainda tras muitas alegrias futuras, uma queda quase me paralisou as pernas bate a coluna fiquei um ano sofrendo graças a deus estou me recuperando aos poucos com as graças de deus rezando o terço da libertação amem

    ResponderExcluir
  6. Sem palavras já assisti este filme gracas a Deus me libertei

    ResponderExcluir
  7. Sem palavras já assisti este filme gracas a Deus me libertei

    ResponderExcluir
  8. Olá Carlos,
    Belo poema!
    Parabéns!
    Abraços,
    D

    ResponderExcluir
  9. Margarida Barral/Portugal22 de outubro de 2015 10:19

    Lindo,mas triste demais,seu poema.
    Abraço de ALEM MAR

    ResponderExcluir