sexta-feira, 30 de setembro de 2016

(DES)ILUSÃO...


Eles não voltarão e inútil será a espera!
Nas comunidades isoladas,
De barcos, descem e se equilibram por sob pranchas de madeira,
Foguetes estouram, bandeirolas coloridas balançam!
Os ribeirinhos que sustentam a floresta em pé
Vivendo da caça e pesca para subsistência!
Continuam abandonados!
Aguardando o cumprimento da  ilusão prometida

II

Negras fumaças das chaminés dos barcos que levam,
Confundem-se com as novas e negras promessas que fazem!
Muitos são honestos,
(Como se fosse mágico enriquece  demais!)

III

Não os esperem!
Só voltarão depois de quatro anos depois, para anunciarem
Mais uma ilusão para os próximos quatro anos!
Com mais estouro de foguetes,

As novas mentiras!

5 comentários:

  1. Aplausos...perfeita descrição politica

    ResponderExcluir
  2. Delfina Reina Lopes Deldina30 de setembro de 2016 13:28

    adorei

    ResponderExcluir

  3. E isso mesmo. Descrição perfeita do que ocorre!
    Abraços do Alem-Mar

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde Carlos, diante de seu texto, passo só uma informação, me proponho nas conversas pessoais, durante a entrega de.meus impressos, a estar presente nas comunidades para acompanhar o dia a dia delas. Espero que aceitem o meu desafio.

    ResponderExcluir
  5. Ynu(Rosa D Saron )3 de outubro de 2016 14:50

    Poeta amigo,vim te fazer uma visita...disseste bem a verdade!

    ResponderExcluir