terça-feira, 21 de março de 2017

"BOI SEQUESTRO"


Nas redes sociais, o assunto  mais comentado em tom de gozação foi sobre a “Operação Carne Fraca”, realizada pela PF, que desbaratou uma quadrilha que atuava dentro de alguns frigoríficos como JBS e BRF e escritórios de advocacias. Pedido de prisão preventiva para fiscais sanitários, gerentes de frigoríficos e servidores públicos da área de fiscalização sanitária foram expedidos.  Uma conversa interceptada pela Polícia Federal, foi apresentada como prova duvidosa, a gravação de uma conversa, na qual que supostamente um gerente autorizaria misturar carne com papelão. Muitas informações ainda continuam sendo apuradas e poderão vir a se tornar públicos de forma bombástica ou discreta. Contudo o estrago já está feito no maior exportador para os 28 países da União Europeia. Depois da “bombástica” divulgação de que existiria até carne sendo triturado junto com papelão, o país perdeu alguns contratos de exportação e outros cancelados, foram revistos.  

A Operação, contorno de gozações nas redes sociais, com muitas publicações de fotos de churrascos de papelão, vídeo com presunto da Sadia com plástico dentro, o ator Tony Ramos veio à publico garantir que não sentia vergonhado de ter feito a campanha divulgando a Carne a vácuo da Frigoi, o Governo chamou embaixadores e ofereceu um churrasco para todos eles em Brasília. Mesmo assim, não conseguiu convencer totalmente os importadores de carne.  No meio de toda a balbúrdia, a gravação em áudio de uma ex-funcionária que diz ter trabalhado 10 anos em Frigorífico, LX, hoje Friboi, do grupo JBS, garante com detalhes que o Brasil sempre consumiu  carne do “Boi Sequestro” como ela chama. O que seria “Boi Sequestro”?

 No áudio a ex-funcionária garante que de 80 a 100 bois morrem  de fome, calor, sede, de raiva por estar seguindo para o abate etc antes de chegar aos frigoríficos para o abate. Esse seria o “Boi Sequestro”, que  mesmo com  1, 2, 3 ou 4 horas e com sangue totalmente podre, seguiria para a inspeção, onde existiria uma pessoa própria só desse boi que morre antes de ser morto.  Desossado, seguiria para um tanque com água quente e corante vermelho e sairia como se fosse carne nova e de boa de qualidade. Depois, partiria para embalagem a vácuo, a selovax  e toda a  carne seria consumida há muito tempo no Brasil, comercializada nos supermercados do país inteiro. Ela mesma diz que já trabalhou com esse “Boi Sequestro”, que já estaria desfigurando e dá uma pista de onde pode ter sido gravado o áudio: “se esse boi chega aqui em Mato Grosso, é consumida aqui mesmo”. E conclui: “os brasileiros sempre consumiram podre porque ela não pode ser exportada”!


Como os novos acontecimentos, sepultam e enterram velhos e importantes acontecimentos em marcha na vida nacional, os eleitores brasileiros tiveram desviado o foco para duas coisas importantíssimas votações na Câmara Federal, que podem mudar o Brasil para melhor ou para pior:  as Reformas Previdenciária e Política!

6 comentários:

  1. Foi um desastre econômico.
    O povo brasileiro acredita em Saci Pererê, Iemanjá, e na funcionária analfabeta do frigorífico.
    É bem a cara do "leite com manga" que faz mal.
    Gilberto Freyre vaticiniou isto.

    ResponderExcluir
  2. Verdade, não esquecer da câmara e do senado.

    ResponderExcluir
  3. Correto Carlos....
    São tantas coisas ruins acontecendo ao mesmo tempo que alguns setores se aproveitam para agir na surdina....

    ResponderExcluir
  4. Maria Hirschi/Suiça22 de março de 2017 14:52

    Nossos politicos!F ora.
    So fixa Tudo fora

    ResponderExcluir
  5. Sou um desesperançado. Já fui muito otimista, não sou mais. Não tenho mais vontade de assistir, ouvir ou ler Jornal. Bom assunto para refletir. Parabéns amigo. Abraços

    ResponderExcluir
  6. É, caro cronista carlos da costa! Temos de estar de olhos acesos nos acontecimentos sem perder o foco nos bastidores. É pena que a massa é desatenta e chega até brincar com as coisas sérias ou mesmo ignorá-las.//Parabéns pela excelente e oportuna crônica! Um grande abraço fraterno!

    ResponderExcluir