sábado, 16 de maio de 2015

LEMBRANÇAS DO PASSADO! (homenagem aos rotarianos do Brasil)

Parte das 642.492 mil pessoas que residiam em Manaus em 1980, trabalhavam nas fábricas do Distrito Industrial e eram transportados pelos ônibus especiais da empresa Ohana Transporte, pertencente aos irmãos Moisés e Arão Ohana. A Ohana Transportes, uma das pioneiras do transporte especial no Distrito, possuía mais de 500 ônibus e todos se destinavam ao serviço de fretamento às fábricas e faziam filas quando saiam das fábricas, engarrafando a Rua Buriti. Muitas vezes, encontrava o empresário Arão Ohana, no alto da Praça Francisco Pereira da Silva, ao lado de seu automóvel Laudau, carro da moda para quem tinha dinheiro, no Amazonas, admirando a fila que seus ônibus faziam quando saíam ao mesmo tempo das fábricas, devolvendo trabalhadores aos seus lares. “Lindo, não é”, ele me dizia quando me via, porque não era sempre que parava na  Praça Francisco Pereira da Silva, quando deixava a redação de A NOTÍCIA.

Na época, era lindo, sim, porque a capital Manaus de poucos automóveis, a maioria fuscas antigos como o meu, era uma cidade pacata, com vendas de cachorro quente em carros lanches no meio da praça, mas hoje não é mais. A cidade com mais carros do que vias de circulação, engarrafamento de qualquer tipo que seja, passou a ser motivo de nervosismo no trânsito da cidade com mais de 2 milhões de carros nas ruas e quase as mesmas vias de circulação. Seria um terror o engarrafamento que os ônibus faziam ao descerem em fila indiana, uma atrás do outro e o dono da empresa no alto da praça só vendo tudo!

Um pouco antes, fora fundado e passou a se reunir todas as quartas-feiras, o Rotary Clube do Distrito Industrial, no horário do almoço, na sala de reuniões no Novotel Manaus, na qual era servida o almoço. A Unimed Manaus, foi fundada na década de 80 passou a comercializar seus planos de saúde aos membros do Rotary, querendo chegar aos trabalhadores. Os planos, no início, eram quase todos individuais e não coletivos, como hoje. Era uma novidade! Um plano específico e mais barato foi oferecido para os membros do Rotary e eu fiz o meu, mas hoje sou dependente do plano coletivo de minha esposa Yara Queiroz. Os planos individuais do passado quase não existem mais, como no início da Unimed Manaus. De boca em boca, a nova Cooperativa Médica do Amazonas ia se fazendo divulgar. Hoje, tudo mudou para pior, infelizmente!

Na década de 80 também, os irmãos médicos Edson Sarkis e Edmilson Sarkis, se uniram e fundaram em uma pequena casa na Avenida Ayrão, a Clínica Santa Júlia e passaram a frequentar as reuniões no Rotary do Distrito Industrial, anunciando a clínica aos companheiros rotarianos. Hoje, a Clínica Santa Júlia ocupa quase um quarteirão inteiro da Avenida Ayrão e é uma das melhores de Manaus, mas os irmãos separaram a sociedade e só um deles é dono do hoje Hospital Santa Júlia. O médico Mário Ewerton e os irmãos gêmeos e ambos engenheiros Paulo Ney e Pauderley Avelino, então donos da Pan Costura, uma fábrica de roupas do Distrito Industrial e hoje donos da Construtora Capital/Rossi, também passaram a frequentar as reuniões de quarta feira, divulgando o que produziam. Levado pelo empresário Cristóvão Marques Pinto, dono de uma fábrica de poliestireno no Distrito Industrial, também passei a frequentar as reuniões do Rotary, primeiro como convidado e depois já inserido entre os companheiros. 

Como era apenas um repórter do Jornal A NOTÍCIA e ganhava pouco, comentei com o Cristóvão que não teria condições de frequentar todas as reuniões das quarta-feira, porque não teria como pagar depois. “Não se preocupe, eu pago e ainda mando buscar você”. Todas as quarta-feira, o carro Ford Landau, entrava pelo portão do jornal para pegar-me e me transportar direto à reunião do Rotary ou para me encontrar com o empresário Cristóvão Marques Pinto, na fábrica de poliestireno, que gostava de mostrá-la aos convidados, que eram muitos. No Rotary, era bem recebido pelos companheiros, Oto Fleck e Sérgio Guiller, diretores geral e comercial da Indústria Gradiente, Nizardo Rebouças Chagas, da empresa CAP Processamento de Dados e muitos outros que o tempo e as 11 cirurgias no cérebro desde 2006, me fizeram esquecer, embora queira lembrá-los um a um, mas se saibam que escrevo essa crônica pensando em todos os que conviveram comigo.

Durante as reuniões no Rotary, o companheiro Cristóvão Marques Pinto, ficava irritado quando diziam que ele era dono de uma fábrica de isopor, mas tirava na brincadeira e respondia: “Não é isopor! É poliestireno, um polímero resultante da polimerização do monômero de estireno”, explicava e completava,  sempre rindo, que só “é chamado de isopor depois que passa pela prensa de termoplástico e é usado para embalar os produtos que vocês produzem”. O empresário Massariko Watahabe, diretor uma indústria de eletrônicos do Distrito Industrial viajara à Brasília para uma reunião com o então Ministro do Interior, Mário Andreazza e era  aguardado na quarta-feira da reunião. Todos os empresários queriam saber como tinha sido seu encontro com o Ministro do Interior, coronel Mário Andreazza. Massariko deixou o Aeroporto Eduardo Gomes e seguiu direto para o Novotel, onde o aguardavam para saber e todos queriam saber como ocorrera seu encontro com o Ministro.

- Sabem quando um cachorro grande late o que acontece com um cachorro pequeno?

- Não sabemos, respondeu Cristóvão Marques Pinto, conte:

- Pois é: ele rosnou alto e eu coloquei o rabo entre as pernas, peguei minha pasta e sai de fininho da sua sala,  quase me urinando, acuado e nada falei do que queria falar!

Todos riram, inclusive Oto Fleck, que presidia o Rotary Distrito Industrial e voltou a presidi-lo por diversas outras várias vezes.

7 comentários:

  1. Carlos Costa, obrigada, vou te conhecendo melhor a cada dia, você conseguiu me emocionar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ola carlos bom dia meu nome e ivan
      meu pai trabalhou nesta empresa voce pode me parsa o cnpj desta empresa e onde ela reside hoje

      Excluir
  2. muito bom saber dessas historia da passado

    ResponderExcluir
  3. É sempre muito interessante conhecer um pouco de suas memórias através seus textos.

    ResponderExcluir
  4. Luiz Castro/deputado16 de maio de 2015 16:58

    Sua memória está boa. E os textos, idem. Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. BOA TARDE QUERIDO AMIGO ABENÇOADO DOMINGO LINDA HOMENAGEM Carlos Costa AOS ROTARIANOS DO BRASIL MERECIDO UM FORTE ABRAÇO!!

    ResponderExcluir
  6. meu imail e jetaraujo@hotmail.com
    95 991342718 whatsapp

    ResponderExcluir