sábado, 19 de novembro de 2011

PARA QUEM ESCREVO?



Horas há em que penso parar de escrever e publicar!

Não sei para quem escrevo, não vejo pessoas as que acessam.  Em meu blog pessoal, com crônicas diversificadas, mas a maioria endereçada a pessoas da área de Serviço Social estão sendo lidas em trinta e cinco países como Brasil, Estados Unidos, Alemanha, Portugal, Rússia, Angola, Reino Unido, Austrália, Espanha, Cingapura, Letônia, França, Malásia, China e Portugal, pela ordem de acessos. Mas quem são essas quase sessenta e seis mil pessoas que acessam crônicas e livros teóricos que eu escrevo e publico se elas não se identificam? Há momentos que penso estar escrevendo para ao vento que sopra diariamente em meu rosto, no total silêncio dos pensamentos que me atormentam sem me pedir licença para fazê-lo. Mas sei que não é bem assim e continuo escrevendo! Mas para quem eu escrevo? Não sei!

No Recanto das Letras, as 70 mil leituras em mais de 700 diferentes textos de poesias e crônicas, aonde qualquer pessoa pode comentar, fiz amizades virtuais e interessantes com pessoas inteligentes, cultas, cordiais e sinceras, às quais passei a estimar pelo carinho, respeito e reconhecimento  que me demonstram: o Paulo Rego, o  revisor “chato” que, de chato não tem nada, pois é muito criterioso; Neôdo Ambrósio e Carlos Lopes, que estão republicando em seus blogs Samurai e Jequitibá e Mucreve e Gandavos, respectivamente, as crônicas em seus Estados; Dalva Linch, pelo primor com que aborda temas religiosos interessantíssimos; Sonia Biasus, que se desesperava,  achava que a orientadora lhe  cobrava, era muito exigente e chegou a pensar em desistir, mas conseguiu produzir um texto final à apresentação super gostoso de ser lido; Gilberto Dantas, advogado criminalista, com pés fincados no Amazonas pela sua origem, com pai político,  com os quais tenho contatos mais frequentes! “Maria Maria”, pseudônimo de Maria das Graças, que retirou frases de meu livro O HOMEM DA ROSA e passou a utilizá-las em sua apresentação no facebook...

Tantos outros também que me lêem e comentam alguns de meus escritos. Mas por que escrevo tanto? Talvez por prazer, diversão ou compulsão, não sei!

Será que a doença incurável em meu cérebro resultado de duas bactérias hospitalares adquiridas, está me fazendo escrever  assim, por não saber se amanhecerei vivo no dia seguinte, se acordarei de meu próximo sono? Será que isso é uma fuga de mim mesmo? Não; não acredito. Sinceramente, me questiono mas não encontro uma resposta, convincente!

Não  tenho paciência para leituras, perder horas procurando blogs, sites etc. Isso, só o faço quando preciso realizar pesquisas para produzir crônicas mais elaboradas. Hoje sei apenas que decidi viver intensamente porque durmo, tomo remédios, durmo de novo e acordo no dia seguinte; ainda, mas não sei até quando. Compulsivamente escrevendo ou querendo escrever  nova crônica. Quando tenho uma idéia na cabeça, idealizo mentalmente  o texto  e, quando ponho para digitar meus pensamentos já organizados previamente,  as letras aparecem agradavelmente em meu computador e só paro quando  deixo o texto concluído. Enfim, por que e para quem escrevo tanto? De novo, respondo-lhes que não sei.

Excetuadas as pessoas agradáveis que conheci virtualmente, por comentários que recebo em meus textos e que depois passam a se corresponder comigo, não sei para quem escrevo. Muitos gostam; outros nem tanto! Mas porque escrevo? Sinceramente, essa resposta será levada comigo para o túmulo e a guardarei com todo cuidado! Mas tenho certeza de uma coisa: escrever foi o dom que Deus me deu e o exercerei até o fim de minha vida!


10 comentários:

  1. Amigo Carlos (permita-me considerá-lo amigo), é com alegria que venho prestigiar mais uma vez seu valoroso espaço.

    Sua pergunta Para quem escrevo? está na última frase desta sua crônica: "Escrever foi o dom que Deus me deu e o exercerei até o fim de minha vida!" Esta é a forma pela qual suas palavras serão eternizadas.

    O importante, acredito, é divulgar seus pensamentos para que outras pessoas possam degustá-los para levá-las à reflexão.

    Continue, amigo! Na aridez da internet é preciso flores...

    Um forte abraço,
    Yolanda

    ResponderExcluir
  2. Existem coisas inexplicáveis na vida da gente, exatamente por isso: Para cada um Deus, dá um Dom. Tenho várias agendas cheias de pensamentos meus, rascunho da minha história, que também não sei por que escrevo; Ex."A melhor maneira de se pedir e conseguir um favor, é pedir com respeito delicadeza. É mais fácil você abrir uma porta usando um sorriso, que um chute."

    ResponderExcluir
  3. Parabéns amigo, pelo dom da escrita, que você faz muito bem... textos muito bem elaborados!!!

    ResponderExcluir
  4. Arai Santos/Escritora2 de junho de 2016 14:28

    Oi amigo, Carlos!
    Você escreve porque é assim que você se vê útil. E também é um trabalho que você se identifica e certamente é o que mais se aprimorou e exercitou profissionalmente.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Escrever é uma arte, parabéns amigo

    ResponderExcluir
  6. Sarah D A Linch/Escritora2 de junho de 2016 14:41

    Eu também não sei para quem escrevo.
    Hoje em dia escrevo para mim mesma. Escrevo, como disse JRR Tolkien, os livros que gostaria de ler...

    ResponderExcluir
  7. Ok lindo amigo

    ResponderExcluir
  8. Luiz Castro/Deputado Estadual2 de junho de 2016 17:22

    Carlos - vc escreve para outras pessoas que gostam de ler e apreciam seus textos...Também para exprimir seus pensamentos e sentimentos...É um dom seu
    Carlos - penso que a gente escreve por um impulso interior de exprimir o próprio ser

    ResponderExcluir
  9. CARLOS COSTA ��

    Depois de uma reflexão sobre sua crônica, vou responder sua pergunta...

    ����Carlos você escreve porque Deus te deu o dom da palavra. Você escreve porque isso faz parte da tua vida, tua essência, do teu ser.

    �� Carlos você escreve porque um pássaro jamais deixa de cantar, faça chuva, faça sol ali ele está assobiar.

    ✍��Você escreve porque tuas palavras vão a onde você não podes ir, chega a onde no momento não podes está, toca corações e transforma pensamentos.

    ✍��Carlos ao escrever você ensina, se torna um professor, tem uma sala virtual e teus alunos somos nós... aqueles que contemplam as mais belas aulas em forma de histórias reais.

    Amigo, jamais deixe de escrever, pois quando pensas que ninguém lê, são pessoas usando as suas opiniões e algumas vezes até orientações dadas por você através de sua escrita.

    Você escreve pra nós brasileiros e não brasileiros, você escreve para o mundo��

    Leiam Carlos Costa

    *Bom sábado amigos*

    ResponderExcluir
  10. CARLOS COSTA

    Depois de uma reflexão sobre sua crônica, vou responder sua pergunta...

    Carlos você escreve porque Deus te deu o dom da palavra. Você escreve porque isso faz parte da tua vida, tua essência, do teu ser.

    �� Carlos você escreve porque um pássaro jamais deixa de cantar, faça chuva, faça sol ali ele está assobiar.

    ✍��Você escreve porque tuas palavras vão a onde você não podes ir, chega a onde no momento não podes está, toca corações e transforma pensamentos.

    ✍��Carlos ao escrever você ensina, se torna um professor, tem uma sala virtual e teus alunos somos nós... aqueles que contemplam as mais belas aulas em forma de histórias reais.

    Amigo, jamais deixe de escrever, pois quando pensas que ninguém lê, são pessoas usando as suas opiniões e algumas vezes até orientações dadas por você através de sua escrita.

    Você escreve pra nós brasileiros e não brasileiros, você escreve para o mundo

    Leiam Carlos Costa

    *Bom sábado amigos*

    ResponderExcluir