quinta-feira, 9 de junho de 2016

EXCUSE ME (COM LICENÇA)



Deliciava-me ouvindo música “Excuse me”, sentado  no banco dianteiro do veículo de minha esposa Yara Queiroz, quando no lado direito e sem “com licença”  apareceu uma veículo funerário, com a sirene ligada, levando o corpo de uma pessoa para um cemitério da cidade. Confesso que as recordações maravilhosas que estava tendo sobre a juventude que poderia ter vivido se foram também. Ou seriam sepultadas junto com aquele corpo que seguia em um caixão, em um veículo de da funerária São Francisco? O barulho da sirene despertou-me dos delirantes sonhos que estava tendo, relembrando de toda a adolescência que não vivi completamente.  Quando a música fez sucesso mundial, estudava e  vendia jornais nas ruas de Manaus.

A musica foi gravada pelo cantor e compositor filipino em 1974 que ficou mundialmente conhecido  pelo nome de Junior. Ela foi composta por S. Naper Bell/A Morales pelo cantor e ator filipino radicado na Espanha. Seu nome completo era Antonio Morales Barretto Junior. Junior gravou a música Excuse me ou com licença, em português, aos 31 anos de idade e faleceu no dia 15 de abril de 2014, aos 98 anos de idade, segundo informações que retirei da internet. Isso não importa muito.

 O que importa é que sem  pedir com licença, o veículo funerário com a sirene ligada parou ao lado do veículo de minha esposa, no semáforo vermelho, em frente ao Cemitério São João Batista,  o mais antigo de Manaus  e chamou minha atenção e retirando-me das recordações que vendia jornais em Manaus, na época em que “Excuse me”  começou a fazer sucesso em todas as festas em residências. Vendia jornais na Calçada dos Correios, da Rua Marechal Deodoro e uma senhora dirigindo uma Belina parava ao meu lado, no início da ladeira e pedia para bater os tapetes do carro dela. Depois pedia para retirar de cima do banco traseiro um lanche com suco e pão que trazia todos os dias. Nunca soube o nome da senhora e nunca tive coragem de perguntar. Era muito tímido e magrinho, pesando pouco mais de 22 quilos na época. O tapete do carro nem sempre estava sujo, mas sempre fazia. Será que ela pensava que estava enlouquecendo por vender jornais na rua  debaixo de um sol forte do verão de Manaus ou da chuva torrencial nos outros seis meses do ano, quando lhe contava que tinha um sonho de ser jornalista. Parecia. Mas não estava. Tinha apenas consciência plena de que enfrentaria dificuldades, Consegui fazer duas faculdades públicas, na UFAM, nos cursos de Comunicação Social e anos depois, no de Serviço Social e nas duas atividades exercer com responsabilidade e respeito, sempre entendendo que ninguém é superior a ninguém. Não era fácil enfrentar a grande umidade de Manaus, seguido de um forte calor. Para  aquecer-me do frio úmido das madrugadas de Manaus, outros pequenos jornaleiros usavam maconha e me ofereciam também. Depois, passavam a usar outras drogas e muitos morreram junto com elas – se é que tinham sonhos a realizar! Dos jornaleiros que morreram pelo vício da droga, será que algum deles teve a oportunidade de ouvir e dançar ao som da música “Excuse me”? Sabia que se entrasse no vício, teria dificuldades para sair e realizar os sonhos que tinha, embora nada  fosse ensinado nas Escolas. Hoje, são temas recorrentes até na internet.  


Mas voltemos à música “Excuse me” (Com Licença) e esqueçamo-nos das lembranças que estava me dando um prazer orgásmático. Elas talvez fossem  sepultadas junto com o cadáver que me fez olhar para o lado.  Depois que perco o foco de um pensamento, dificilmente volto a pensar no mesmo assunto e antes que  esqueça essa cena, decidi registrar esse fato: um cadáver com a música “Excuse me” . O que tem a ver essa  antiga música, com cadáver e as lembranças? Nada, mas me levou a algumas reflexões bobas: será que o cadáver que seguia para o cemitério tinha escutado “Excuse me” e dançado coladinho ouvindo a música que escutava naquele momento?  Talvez sim, talvez não, mas decidi não importunar o motorista para perguntar qual a idade que o defunto  teria quando falecido! Poderia achar-me louco por  perguntar ou poderia me dar uma resposta estranha e simplesmente  perguntar-me também: “Por que você quer saber?”


Como não era parente da vítima ficarei na dúvida, que me remeteu a outros pensamentos:  por que vivemos  tão pouco se somos bons e poderíamos ter vivido um pouco mais ou por que vivemos tanto, fazendo maldades? Também não sei a resposta e deve ser apenas um plano de DEUS! 

15 comentários:

  1. Palmas, amigo.

    ResponderExcluir
  2. O cotidiano Carlos, todos um dia vamos aos braços do pai.
    Linda crônica!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Carlos Costa, como são maravilhosas nossas lembranças, embaladas pelo nosso clima e gente!

    ResponderExcluir
  4. Linda sua história senhor carlos boa noite !

    ResponderExcluir
  5. Sargento Conceição9 de junho de 2016 18:44

    Parabéns

    ResponderExcluir
  6. Sarah De A Linch9 de junho de 2016 18:54

    amoi de paixão!

    ResponderExcluir
  7. Silva na aBrandao10 de junho de 2016 03:38

    Poxa belas recordações, qdo vc falou das festas em residências, lembrei-me das famosas "brincadeiras" era tão bom! Dançar coladinho sem quase saí do lugar, tempos bons aqueles. Fazia muitas brincadeiras em minha residência, de lá saíram mts casamentos. Boa madrugada amigo!

    ResponderExcluir
  8. Marlene Abiaxe Dantaa10 de junho de 2016 06:41

    Fiquei emocionada.
    é que sua cronica lembrou-me do meu pai

    ResponderExcluir
  9. Marilene Aboaxe Dantas10 de junho de 2016 06:43

    Carlos Costa sua cronica me emocionou.Eu lembrei de momentos pelo qual nunca pensei passar.Eu como vc,esqueço tudo quando se trata de morte,funeral,cemitério.Ameiiiiii sua cronica,mas não pude deixar de me emocionar.Desculpa.Abraços

    ResponderExcluir
  10. Meus aplicação! Essa música é linda!

    ResponderExcluir
  11. "EXCUSE ME (COM LICENÇA).

    Quando a música fez sucesso mundial, estudava e vendia jornais nas ruas de Manaus.

    A musica foi gravada pelo cantor e compositor filipino em 1974 que ficou mundialmente conhecido pelo nome de Junior. Ela foi composta por S. Naper Bell/A Morales pelo cantor e ator filipino radicado na Espanha. Seu nome completo era Antonio Morales Barretto Junior. Junior gravou a música Excuse me ou com licença, em português, aos 31 anos de idade e faleceu no dia 15 de abril de 2014, aos 98 anos de idade, segundo informações que retirei da internet. Isso não importa muito.

    O que importa é que sem pedir com licença, o veículo funerário com a sirene ligada parou ao lado do veículo de minha esposa, no semáforo vermelho, em frente ao Cemitério São João Batista, o mais antigo de Manaus e chamou minha atenção e retirando-me das recordações que vendia jornais em Manaus, na época em que “Excuse me” começou a fazer sucesso em todas as festas em residências. Vendia jornais na Calçada dos Correios, da Rua Marechal Deodoro e uma senhora dirigindo uma Belina parava ao meu lado, no início da ladeira e pedia para bater os tapetes do carro dela. Depois pedia para retirar de cima do banco traseiro um lanche com suco e pão que trazia todos os dias. Nunca soube o nome da senhora e nunca tive coragem de perguntar. Era muito tímido e magrinho, pesando pouco mais de 22 quilos na época. O tapete do carro nem sempre estava sujo, mas sempre fazia. Será que ela pensava que estava enlouquecendo por vender jornais na rua debaixo de um sol forte do verão de Manaus ou da chuva torrencial nos outros seis meses do ano, quando lhe contava que tinha um sonho de ser jornalista. Parecia. Mas não estava. Tinha apenas consciência plena de que enfrentaria dificuldades, Consegui fazer duas faculdades públicas, na UFAM, nos cursos de Comunicação Social e anos depois, no de Serviço Social e nas duas atividades exercer com responsabilidade e respeito, sempre entendendo que ninguém é superior a ninguém. Não era fácil enfrentar a grande umidade de Manaus, seguido de um forte calor. Para aquecer-me do frio úmido das madrugadas de Manaus, outros pequenos jornaleiros usavam maconha e me ofereciam também. Depois, passavam a usar outras drogas e muitos morreram junto com elas – se é que tinham sonhos a realizar! Dos jornaleiros que morreram pelo vício da droga, será que algum deles teve a oportunidade de ouvir e dançar ao som da música “Excuse me”? Sabia que se entrasse no vício, teria dificuldades para sair e realizar os sonhos que tinha, embora nada fosse ensinado nas Escolas. Hoje, são tema recorrentes até na internet."

    Lindo!

    ResponderExcluir
  12. Eu me emocionei.Talvez muitos reagiram a cronica de outra forma,mas eu ñ.
    Gostei muito mas mexeu comigo.

    Boa tarde Carlos Costa.

    ResponderExcluir
  13. MARGARIDA BARRAL/PORTUGAL10 de junho de 2016 14:27

    Hoje,foi a primeira vez que ouvi essa canção "Excuse Me".
    Não a conhecia por isso a procurei no You Tube.
    Muito linda de facto e a si o devo,pela sua Cronica.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  14. amei essa crônica, Carlos! Ela tb me transportou à adolescência, aos meus muitos sonhos de ser escritora, de mudar o mundo, de ir morar em Israel e lutar na Hagannah...

    ResponderExcluir
  15. Oi amigo, Carlos Alberto!
    Sempre leio os seus escritos, pois eles são muito claros e trazem verdades que você o testemunhou. Fico feliz por ter um amigo tão inteligente e tão integro.
    Abraços!

    ResponderExcluir