quinta-feira, 20 de abril de 2017

^OS MAIORES BANDIDOS ESTÃO NO PODER"

  
 “Os maiores bandidos estão no poder”, uma clara alusão  a uma parte da classe política atual que transformou seus  gabinetes, hotéis, fletes e outros locais em “balcões de negócios” ilegais, li em um muro. No mesmo muro laranja,  estavam as pichadas as siglas das facções FDN- “Família do Norte”,  PCC - “Primeiro Comando da Capital”,  CV - “Comando Vermelho” .Essa  clara referência de protesto  aos 230  políticos já denunciados na operação Lava Jato e de outros que ainda poderão vir porque o ex-Ministro Antônio Palocci,  dos Governos Lula e Dilma, disse que falará tudo e entregará nomes, documentos e endereços que levará os procuradores a trabalhar pelo menos por mais um ano eram financiados pela Construtora Odebrecht. Todos negam envolvimento! As facções atuam e mandam no sistema prisional do Brasil, como a Odebrecht também faz.

Enquanto as importantíssimas leis 12.414/2011, que implantou o burocrático cadastro positivo e a 12.007/2009, que tornou obrigatória a emissão de Declaração Anual de Quitação de Débitos pelas pessoas jurídicas de serviços públicos e privados nunca chegaram a ser cumpridas em seu todo, principalmente pelos prestadores de serviços públicos, o senador Renan Calheiros, réu em vários processos na Lava Jato, apresentou seu Projeto de Lei, que pune o “abuso de autoridade”, como se fosse uma vingança contra os procuradores federais que atuam na “Operação Lava Jato”, que protestaram em vídeo dizendo que seria uma vingança contra todos eles e os  transformariam de investigador a também investigados . Não seriam as duas leis e tantas outras criadas no passado, tão ou mais importantes que punir autoridades por divergências de interpretações processuais? No caso da Lei 12.007/2009 o Credicard  emitia declarações aos seus clientes, mas deixou de fazê-lo e parece que esqueceu que a Lei ainda está em vigor!


Fiquei pensando: será que as facções que matam e decapitam presos condenados estariam se comparando aos “bandidos de paletó e gravata”, representados pelos 230 políticos denunciados de uma só vez pelo procurador da República Rodrigo Janot, envolvidos com caixa 2? Pensando mais ainda cheguei à conclusão que os “bandidos de paletó e gravata”, talvez sejam tão ou mais perigosos do que as facções que atuam dentro das superlotadas prisões do Brasil! Os políticos usam o poder de influência para corromper e serem corrompidos. Quanto mais elevado o cargo dentro do sistema política, mais extorquiam e ameaçavam e vendendo dificuldades para vender facilidades em forma de propinas, como denunciaram os executivos. No meio disso tudo, um projeto de Lei do ex-presidente do Senado, com processos em curso e denuncias no STF por vários crimes na Lava Jato, pode ser   até pior do fazem membros das facções que matam, bagunçam e se amontoam dentro das prisões do país durante suas rebeliões..

As facções matam e degolam pessoas usando armas que permitem que entrem nos presídios. Os políticos, não usam armas.  Usam seu poder de influência e, com isso, também matam as esperanças dos honestos eleitores brasileiros.


Será que essa situação não terá fim? Talvez sim. Talvez, não. Dependerá só dos eleitores que, nas redes sociais, só falam de um jogo que inventado talvez pelos políticos, chamado de “Baleia Azul” para matar mais rapidamente o povo brasileiro, mais até do que as próprias facções já matam!

3 comentários:

  1. Carlos existe coisas podres na política que eu não acredito. Ainda existem homens dignos e com princípios que nem você. Aonde chegamos. Será o fim do mundo!
    Eu não acredito mais nos políticos. Temos que extirpar a raiz da corrupção.

    ResponderExcluir
  2. Vera Queiroz/assistente social21 de abril de 2017 04:33

    É o fim da honestidade da nossa classe politica.
    Vou compartilhar.

    ResponderExcluir
  3. Carlos Marques Coutinho21 de abril de 2017 06:23

    Revoltado com tantas injustiças, pais desempregados, crianças morrendo em hospital e jovens sem perspectiva de vida. E os políticos corruptos milionários.

    ResponderExcluir