sábado, 15 de abril de 2017

OS RISCOS DA MUDANÇA!


Por menor ou maior que venham a ser as mudanças na direção de uma empresa, de um condomínio ou de um país, sempre todos a receberão com desconfiança, temor e receios, principalmente quando se trata de mudanças na estrutura política do Brasil, que poderá sair de uma democracia corrupta e entrar em uma ditadura civil pela busca desesperada de um "salvador da pátria" que seja menos envolvido em atos de corrupção ou que não esteja respondendo a qualquer tipo de processo no Supremo

 Depois da assepsia política que a operação Lava Jato está promovendo no país da corrupção,  separando com muito cuidado, cautela e determinação, o joio do trigo da corrupção, punindo os dissimulados que se julgavam espertos demais e absolvendo os realmente honestos, o Brasil corre o risco de buscar um político honesto e depois sofrer uma grande decepção, com uma ditadura civil no poder político.

Da ditadura à democracia  o Brasil que não aprendeu muita coisa e agora ainda aparece o general Heleno anunciando “Vamos fechar o Congresso Nacional.  Não existe nenhuma democracia em nosso país”, como se na época da ditadura militar existisse alguma democracia! Havia menos corrupção envolvendo militares, mas democracia não existia, general. Agora, a democracia e a liberdade caminham de braços dados com a corrupção e isso precisa ser extirpado pelo voto no Brasil e não pela ditadura! .

A corrupção, também existia dentro dos Batalhões de Engenharia de Construção e quem me falava isso era o coronel de Exército e ministro do Interior, Mário Andreazza, sempre que vinha presidir reuniões da Suframa em Manaus, na época em que o Superintendente era Rui Alberto da Costa Lins. Ele me dizia isso com um copo de wiski na mão e escondendo-o nas costas para não aparecer em fotos.   Depois, certificando-se que não tinha gravado nada, ameaçava: “Se publicar que lhe revelei o Jornal A Notícia não circulará amanhã porque  o Exército irá empastelá-lo”. Logico que mesmo sabendo da confissão que me fazia sempre que vinha a Manaus, presidir as reuniões da Suframa, não publicava nada, mas comentava com o proprietário Andrade Netto. Ele sabia de tudo!


Depois do fim da operação Lava Jato, o Brasil terá que renascer das cinzas como o pássaro Fênix da mitologia Grega e esse renascimento será o início da mudança que os eleitores farão, para o bem ou para o mal, correndo o risco de elegerem um nacionalista estremado ou um possível “salvador da pátria”, que depois se torne um ditador civil.

2 comentários:

  1. Concordo plenamente com você sobre esse ilustre manifestante. Mas, muitas vezes, para de combater a doença, o remédio tem que ser amargo...

    ResponderExcluir
  2. Psilo Pereira da Silva15 de abril de 2017 18:22

    Bela narrativa amigo. Todavia, alguma coisa tem de acontecer, o que não podemos é conviver com essa lama de corrupção que se instalou no país nesses mais de 13 anos.
    É inadmissível e insano o que se vê a toda hora pelos delatores da lava-jato.
    Ainda faltam a OAS e outras envolvidas nas obras da copa.
    É lamentável.

    ResponderExcluir