quarta-feira, 5 de setembro de 2012

OS DIAS, AS HORAS E O TEMPO!


O vento que sopra constantemente em meu rosto, colore meus poucos cabelos e barba na cor prata, (nem sempre aparada como minha esposa Yara gosta), envelhecendo-me um pouco a cada fevereiro do ano. Mas não é meu aniversário de vida; mas, apenas de um ano de vida a menos que terei para viver!

Quando criança, sentia que o tempo passava lentamente e não tinha preocupações; adulto, os dias, meses e anos passam rápido demais, às vezes correm muito para ver dezembro chegar e presenciar crianças famintas esperando Papai Noel chegar, entrando pelas janelas de suas imaginações e isso me apavora porque sei que meu viver está se evaporando muito rápido.

E o que me restaram dos anos que se passaram?

...amigos feitos e que ainda existem. Amigos que partiram sem me dizer adeus ou pedir licença porque Deus os convidou para participarem de felicidade eterna em seu Reino! Mas bem que poderiam ter me avisado – não que isso seja necessário! –!

...lembranças de coisas boas que vivi – lembranças ruins que desejo esquecer e não consigo; amores que ganhei; amores que perdi; palavras que não disse por medo, palavras que pronunciei em hora ou locais errados e que feriram alguém.

...lágrimas que escorreram de meus olhos ou que fiz escorrer dos olhos de alguém que gostava; perdão que nunca pedi ou que pedi, mas não fui perdoado inteiramente porque sempre restam mágoas no coração de quem machucamos.

...filmes que vi ou que não vi porque eram proibidos para menores e, quando os vi, não gostei porque não tinham nada demais; progresso que chegou e destruiu minhas lembranças, enfim...Cinemas que fecharam; cinemas que abriram. Ruas que não foram abertas e o trânsito pesado de minha Manaus que não permite mais ter tranquilidade ou firmar compromissos com horários. Um relógio em meu pulso que me lembra que estou atrasado... Celular no bolso que dispara sempre para tomar um novo remédio...

Por fim, quero que o mundo pare e volte a ser tudo como fora em minha infância: sem pressa, compromissos, horários, carros nas ruas, remédios para tomar, infecções para curar; quando corria despreocupado pelas ruas de meu bairro que já não é mais o mesmo.

Desejo conversar longamente e perder horas e horas com os amigos que não sei se ainda são os mesmos; os estudos que fiz que talvez não sejam mais iguais...

Desejo conversar com meu filho...de homem para homem ou de homem para menino! Sei lá o quero, realmente porque ando confuso demais para pensar.

Acho que não quero nada porque já vivi o suficiente, amparado por Deus...cuidado pelos médicos, tomando meus remédios diários...

4 comentários:

  1. Ao Amigo Escritor de Manaus Carlos Costa.

    Quisera eu achar um meio de esconder me do vento para que ele não deixe meus cabelos brancos.

    Quando menino realmente esperava-se o Natal, tempo das pipas, pião.....

    Hoje já com muitos dias esperamos de igual forma o salário do mês, o 13º O abono de Natal.... O homem menino ou avançado em dias sempre espera... espera.....

    Dos tempos que se passaram....Restaram lembranças........Lembranças.....lembranças....Não mais que lembranças......

    Se pudesse voltar o tempo, nunca pediria perdão, pois, jamais faria o que foi feito....

    Eu também gostaria que o mundo parasse....Mas é simplesmente impossível.....Somos empurrados de momentos em momentos, pela nova geração.....

    Vemos cada vez mais um vulto identificável que vai se tornando aos poucos bem nítido.....O Campo Santo, que nos aguarda de braços aberto.....Não temos como fugir.....Melhor descansar nas lembranças...Lembranças.....

    Eu também de igual forma desejo conversar com os amigos de outrora....Mas como? Pois, vejo somente uma tênue lápide do que deles restaram, os que ainda restaram estão tão absolvidos pela vida.....

    E os filhos correm na maratona da vida, tendo como espectador nas arquibancadas da vida os pais que ainda não se foram.

    Somos os incentivadores para que nossos filhos não parem.....

    Quando nossos filhos não nos virem mais nas arquibancadas da vida, é hora deles tomarem nossos lugares e iniciar tudo novamente para com os nossos netos...

    Daí....Restar sempre....saudades...saudades...saudades......

    Estamos em uma Roda Viva.... Que sempre roda para um Lado....Nunca retorna!

    ResponderExcluir
  2. Amigo Carlos Costa, meu velho amigo Carlos do jornalismo, do magistério, do teatro, da vida mundana das noites escuras sem lua nem luar, não estou te entendendo. Você é um intelectual dos mais respeitados de Manaus. O que é isto? É uma viagem ou uma tertúlia consigo mesmo? A mim me parece evidências da dimensão transcendental do ser humano que és. Será o prelúdio de uma nova peça literária ou o viver de uma nova vida, olhar de um novo olhar? Particularmente, adoro você, porque com você estou sempre aprendendo, estou sempre atualizando meu banco de dados.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo artigo. Boa visão.

    ResponderExcluir
  4. Boa noite, amigo Carlos
    Com grande prazer e emoção li sua crônica. Não é difícil deduzir que nós, passageiros com mais de 60, sintamos ao ler suas inquietações que são verdadeiramente também nossas. Um abraço fraterno a você.
    Fernando Moura Vieira

    ResponderExcluir