quinta-feira, 22 de outubro de 2015

O BARCO...DA ILUSÃO!


No horizonte de muita fumaça,
lá vai o barco fugindo apressado,
levando ilusões de sonhos não realizados na capital da tecnologia
inútil e deixando na passagem 
um rastro de mais fumaça negra e tóxica.
Do precário, vergonhoso, inútil e problemático porto da cidade,
observo um lenço branco de adeus acenando 
(me deprima porque já vi outros tempos bons no passado de prosperidade!)
É o sinal deixado por mais uma família que abandonou o sonho de prosperidade
e o perdeu para brutalidade de um regime quase escravo  
nas fábricas do Distrito Industrial.
(Até o horário do banheiro é cronometrado!)
É a despedida da ilusão que está partindo!

II

O barco volta. Traz redes cheias de  
de novas ilusões de quem busca de melhorias. 
Nada há mais na cidade, além de uma triste mistura de 
riqueza e miséria social e
restou apenas fumaça importada. 
Fogo da incompetência e desemprego 
pela destruição de seus Centros de Pesquisas Tecnológicas. 
Volta para o local de onde nunca deveria ter saído!

III

O barco, que não tem nada a ver com isso,
Cumpre a rotina de ir e vir, parando em cada porto,
ao sinal de lenço branco, 
agora em forma de desespero! 
Cá já não existe mais nada!

IV

O barco regional 
apenas cumpre sua triste rotina de ir e vir
levando ilusões antigas
e trazendo ilusões novas para se desiludirem também!

13 comentários:

  1. Marilton Severiano22 de outubro de 2015 08:42

    Me fez lembrar as histórias que meu padrinho me contava sobre o amazonas antigo.

    ResponderExcluir
  2. Nossa muito bom o poema,é também muito verdadeiro.

    ResponderExcluir
  3. Realmente muito interessante e inteligente. Meus parabéns e aplausos anjo lindo! Bjssss de luz e paz no teu coração!Carinhosamente - Hoje e Sempre - Irlene Chagas - (A Poetisa do Amor)

    ResponderExcluir
  4. Lindo demais e verdadeiro também!

    ResponderExcluir
  5. Luiz Eron Castro Ribeiro/advogado22 de outubro de 2015 11:12

    Infelizmente é o retrato do "futuro" que se descortina. Se é que ainda existe. Excelente crônica.

    ResponderExcluir
  6. A questão dos barcos da ilusão é igual o dos taxistas considero O PASSAGEIRO SEM DESTINO leva a vida transportando pessoas que muitas vezes não sabe.

    ResponderExcluir
  7. Carlos Celso CARCEL22 de outubro de 2015 11:38


    Poeta carlos da costa! Um poema filosófico, um retrato de realidades, não específico do momento, mas próprio para tal, convidativo a uma excelente reflexão, meus aplausos e se puder, leia-me em "FRUSTRAÇÃO DE UM BARDO" e "TRAÍDO" que estão na minha pág. 4 do RL., um abç.

    ResponderExcluir
  8. Simplesmente Romântica22 de outubro de 2015 11:40

    Realidade muito triste.
    Cada sonho que se desfaz é a certeza de que mais um morreu em vida... Que restará então a esse pobre vivente? Abraços meus para ti

    ResponderExcluir
  9. Sonhos sonhados, se pudesse interpretaria, os realizados iscluiria, pois já nasceram interpretados! Sonhos sonhados, que voam com os ventos, em formas de pensamentos ou uma simples pipa no Ar! Boa tarde amigo! (Obs. Curto poemas)

    ResponderExcluir
  10. Muito boa, meu amigo. Beijos

    ResponderExcluir
  11. Que poema maravilhoso e sábio. Parabéns!

    ResponderExcluir
  12. Max Carphentier/poeta23 de outubro de 2015 13:57

    Belo e crítico poema, Carlos. Parabéns. Abraço do Max

    ResponderExcluir
  13. Maria Goreth Santos21 de dezembro de 2015 09:49

    Nossa muito bom o poema,é também muito verdadeiro

    ResponderExcluir