quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

A INDIGNAÇÃO POPULAR VOLTOU!



Uma indignação popular voltou e tomou conta das redes sociais.

A Câmara Federal estuprou coletivamente, decompôs  em  MMC e MDC, de forma que se faz na matemática, as 10 propostas do Ministério Público, subscritas por  quase 2 milhões de assinaturas de eleitores. Como se fosse uma vingança contra quem os investiga, o Ministério Público e o Judiciário e contrários a essa postura corporativista, movimentos sociais estão convocando eleitores para protestos legítimos no Brasil, cobrando que as 10 medidas anticorrupção voltem à condição original de como foram apresentadas pelo Ministério Público. Esse foi o mais grave estupro coletivo e transformação de investigadores em investigados que assisto nos últimos 54 anos de da vida. Esperava morrer sem ter que testemunhar tamanha inversão de valores!

No domingo, o presidente da República  do Brasil, Michel Temer em pronunciamento à nação, ao lado dos constrangidos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia e do Senado Federal, Renam Calheiros,  através do programa Fantástico, da Rede Globo de Televisão prometendo que não haveria nenhum tipo de manobra para anistiar o Caixa 2 das campanhas eleitores, os deputados se voltavam contra quem os está investigando por práticas diversas de corrupção e de Caixa 2: o Ministério Público e a Magistratura.

Contudo, apesar de o momento grave na política brasileira e muito delicado,  não é hora de qualquer autoridade se “abravatar”, pedindo que todos os procuradores renunciem coletiva. Raivosamente, prometendo parar tudo, pedir demissão coletiva, não será solução para nada. É  hora dos movimentos sociais organizados se unirem contra a classe política, de forma apartidária, exigindo que faça valer a vontade dos milhões de eleitores que também foram estuprados pelos políticos,  em sua inocências.  Hoje,  os empresários de construtoras envolvidos em caixa 2 para pagar dívidas de campanha, foram condenados pelo juiz Sérgio Moro, o foram pela prática de Caixa 2 das campanhas eleitorais. A anistia,  se tivesse sido aprovado como muitos deputados pretendiam, todos os já condenados também seriam beneficiados pela manobra juridicamente burra e descabida.

Felizmente,  a voz das ruas foi mais forte do que à vontade e os interesses dos políticos. A anistia ao caixa 2 como queriam, foi derrotada. Porém, os “representantes do povo” derrotados, se voltaram contra quem os investiga: o Ministério Público e o Judiciário, enquadrando-os na mesma lei, como se não possuíssem leis próprias para puni-los com a perda do cargo e aposentadorias compulsórias, recebendo parte de seus salários. Contudo, se são justas ou não essas punições é outro assunto que precisa ser discutido pelos parlamentares e também nas ruas. A voz das ruas é mais importante nesse momento que a ação de interesses dos políticos envolvidos em corrupção e legislando em causa própria.


Os eleitores não votaram nos representados para eles legislarem em causa  própria; e, sim, na defesa dos interesses coletivos dos eleitores!

12 comentários:

  1. Ao promoverem o GOLPE contra A Presidente Dilma, sem crime de responsabilidade, rasgaram a Constituição e entregaram o Brasil para os corruptos. Sete ministro do corrupto Mishel caíram em efeito dominó. Tenha uma boa

    ResponderExcluir
  2. ...só o EXÉRCITO pra dar jeito!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Com grande pesar tenho que concordar com vc meu amigo .

    ResponderExcluir
  4. Bandido presidente do senado

    ResponderExcluir
  5. Juarez Souza da Cruz Junior1 de dezembro de 2016 18:35

    Quando Dilma mandou o projeto anticorrupção para o congresso e logo depois se negou a ajudar Eduardo Cunha deu no que deu.
    Agora é a vez da justiça.
    O que me espanta é a morosidade da justiça em colocar na cadeia esses crápula.

    ResponderExcluir
  6. Vergonha, os ratos do planalto não respeitam os verdadeiros cidadãos.

    ResponderExcluir
  7. Rosangela Lima Lima1 de dezembro de 2016 18:40

    Juiz ou qualquer cidadão, não esta acima da LEI. Pelo contrário o que a LAVA JATO, fez foi ignorar a constituição. Os meninos do ministério público, simplesmente liquidaram com o estado democrático de direito. Não são dignos de confiança. O congresso agiu corretamente. Eles devem fazer seu trabalho, desde que cumpram as leis.

    ResponderExcluir
  8. Obrigado, Carlos, precisamos mostrar a nossa força no próximo dia 04. Um abraço

    ResponderExcluir
  9. Meu caro Carlos não se faz mais político como em tempos passados, com a reputação e honestidade do teu saudoso sogro Francisco Queiroz, João Valério e outros. Foram políticos que respeitavam o povo e serviam à política e não se serviam da política.

    ResponderExcluir
  10. Que tristeza. ......

    ResponderExcluir
  11. É este mundo de provas, este mundo de expiações. Tudo podemos naquele que nos fortalece, quando nós fazemos a nossa parte de forma honesta, no sentido da verdadeira cidadania. Temos de nos educar e promover a educação às crianças, à juventude, para que evitemos, futuramente, golpes parlamentares, jogos de interesses particulares em detrimento aos da coletividade, dentre outros abusos.// Adorei a sua crônica. Retrata bem o papel do cronista, em mostrar e alertar o público sobre os acontecimentos do dia a dia que os olhos comuns não conseguem enxergar. Parabéns, cronista amigo da coletividade! PARABÉNS!!!

    ResponderExcluir