domingo, 1 de janeiro de 2017

OS PERIQUITOS E O BRASIL DE 2017!



Do asfalto escuro, mais escuro que a noite que estava escura mesmo com as fogos e a euforia da chegada do ano de 2017, convidados à comemoração da chegada do novo ano,  recolheram cinco periquitos estressados pelo barulho dos foguetes e os trouxeram para o meu apartamento no Mundi,  Dei-lhes água, descansaram um pouco e voaram para cumprir sua missão de ser livres bailando  para um lado e para outro e cantando.

Contudo, devido as suas cores verdes, amarelo e com uma estrela branca na testa, os observando ofegantes e com o coração batendo muito aceleradamente, os vi tristes.  Dois anos depois da primeira morte de mais de  200 periquitos de uma só vez, mesmo sem foguetes para estressá-los, porque era outubro, ainda não divulgaram o real motivo de suas mortes: se envenenados ou alguma coisa pior.  Alguns poucos que caíram das árvores, onde dormiam tranquilo, morreram esmagados pelos carros apressados para chegar não sei em qual lugar, se o destino de todos será a morte do corpo. O progresso realiza fenômenos estranhos e interessantes: produz novos sonhos e destrói lembranças antigas que não voltarão nunca mais.

Ao vê-los descansando na fruteira onde os coloquei me peguei penando em como seria o ano de 2017? Seria um ano  bom, será um ano pior do que foi o de 2016? Não sei! Não tenho bola de cristal, não sou adivinho, mas nos periquitos verdes, amarelos e com estrela branca na testa encontrei as possíveis respostas: viveremos um ano de 2017 complicado, confuso, difícil em todas as áreas. Como os periquitos que receberam água e não morreram, depois seremos livres e voaremos para cantar e respirar, sobrevivendo para alcançar um ano de  2018, talvez um pouco melhor!

Dentre os convidados que recebi estavam o Dr. Ramiro Pereira, dentista que trabalhou três anos no SEST/SENAT,  durante a administração que fiz como diretor;  Erika Evelin, que disse que gostava de ler as crônicas que escrevo. Estiveram presentes, também, um casal que frequenta a Igreja Batista do Município de Parintins,  terra s bois Garantido e Caprichoso.

Durante a agradável  conversa na varanda: “lá em Parintins, vimos isso todos os dias.  Moramos um pouco longe da sede e viajando pela estrada, sempre nos deparamos com diversos tipos de bichos andando na estrada:  periquitos, macacos e muitos outros”.  Em 1968, depois que deixei a comunidade do Varre-Vento e  quando retornei para a capital onde nasci, para continuar os estudos, via muitos animis livres, que foram expulsos pelo progresso.


Hoje, meus periquitos vivem em uma árvore que avisto pela janela da cozinha!

16 comentários:

  1. Linda memória...Lindo texto...
    Lembro me do varre vento.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo gesto seu nobre irmão

    ResponderExcluir
  3. Jose Fernamdes Barros1 de janeiro de 2017 13:42

    Gostei vou compartilhar.

    ResponderExcluir
  4. Joanilson Fernandes1 de janeiro de 2017 13:52

    Muito especial Carlos

    ResponderExcluir
  5. Luiz Castro - deputado estadual1 de janeiro de 2017 14:33

    Salvador de periquitos...
    Quem salva aves é semeador da liberdade

    ResponderExcluir
  6. Palmas pela analogia comparstivs

    ResponderExcluir
  7. A VC.Carlos Costa,toda a felicidade do mundo,grandes e boas lembranças dá nossa Juventude que Deus sempre o abençoe juntamente com seus familiares,forte abraço AMIGO.

    ResponderExcluir
  8. Uma noite agradável na companhia da sua família.

    ResponderExcluir
  9. Este é o preço de um crescimento desorganizado e cheio de interesses particulares.

    ResponderExcluir
  10. Vc foi dez, amei III, Parabéns, 2017 repleto de realizações e paz

    ResponderExcluir
  11. Flor Silva e Silva1 de janeiro de 2017 17:21

    Amigo ponto positivo pra nós que começamos salvando vidas.

    ResponderExcluir
  12. Esta titude das pessoas da Efigennio Sales foi muito cruel, infelizmente essa consciencia de meio ambiente saudável ainda não desenvolvemos. O que levaremos ao tumulo acaso serão as grandes mansoes ou os tijolos, pedras e ferros que as compõem? Digno de repudio essa loucura, e onde ficam os defensores da natureza?

    ResponderExcluir
  13. Jose Coelho Maciel2 de janeiro de 2017 02:30

    Já começaste praticando um bom ato meu amigo Carlos Costa. Feliz Ano Novo!

    ResponderExcluir
  14. Muitas bênçãos em sua vida.
    Que texto/ relato lindo.
    Muito obrigada.

    ResponderExcluir
  15. Roberto Fraga Junior2 de janeiro de 2017 02:42

    Legal, mestre. Um excelente 2017 para ti e para sua família

    ResponderExcluir