sábado, 24 de junho de 2017

“SEM ÉTICA E SEM MORAL"



A Comissão de Ética, ao absolver com uma canetada de ofício pelo seu presidente, o senador João Alberto, não tem mais ética e nem moral para apurar a conduta de ninguém do Senado. Na Câmara Federal não é tão diferente, pelo número de casos não apurados ou nem apurados e diretamente arquivados.

Se não foi uma transgressão à ética, no mínimo o que o senador Aécio Neves cometeu uma ação contraria ao decoro. Mas ele teve seu pedido de cassação de mandato arquivado. Se a JBS não é banco o senador dificilmente declararia à  RECEITA FEDERAL os 2 milhões de reais que receberia em 4 parcelas. Ou estou enganado?

Diante dos escândalos de contas no exterior, principalmente na Suíça e outros paraísos fiscais tenho sinceras dúvidas se o senador Aécio Neves declararia o que receberia se o intermediário definido por Michel Temer, deputado federal Rodrigo Rocha Loures não tivesse sido rastreado com conhecimento pela Policia Federal. 

Enquanto isso, o senador João Alberto. Como não teve resposta do STF porque os advogados do senador Aécio Neves recorreram das denúncias de obstrução de justiça e atrapalhar a Operação Lava Jato, o senador João Alberto arquivou de ofício, mas haverá recurso pelo PSOL - "causou um deboche à sociedade", nas palavras do Ministro Marco Aurélio Melo.

Diante do arquivamento da ação contra Aécio Neves, o senador não fica livre de constrangimentos porque a JBS não é banco


Um comentário:

  1. Luiz Celso Santos de Olivera25 de junho de 2017 09:53

    Desejo a todos vcs uma semana igual à do Aécio, o elemento escapou da cadeia, teve a irmã e o "primo da mala" soltos, o processo de cassação arquivado no "Conselho de Ética" do senado e, Gilmar Mendes sorteado relator das investigações contra ele no STF... Mega da Virada é pouco... kkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir